Por muito que se aprecie o avião enquanto meio de transporte que permite ligar cidades distantes em tempo útil e de forma confortável q.b. para a maioria dos passageiros, há razões de sobra para sentir uma apreensão ligeira sempre que é necessário apanhar mais do que um voo para chegar ao destino pretendido. Mais ainda se a escala for curta, sem grande margem para atrasos. E porquê?

Tem tudo a ver com a imprevisibilidade das viagens aéreas: entre vulcões que entram em erupção, tempestades que impedem aterragens, falta de espaço para estacionar os aviões, pássaros que entram nos motores, malas que se perdem para sempre ou greves de pilotos, assistentes de bordo ou de pessoal de terra, a hipótese de atrasos e cancelamentos estragarem a festa e impedirem a ligação pretendida está sempre presente. 

Stranded tourists await at Carrasco international airport in Montevideo, on June 10, 2011. Flights from major airports across a large section of south America were canceled Friday as ash from Chile's Puyehue volcano spread across the region, nearly one week after the volcano erupted for the first time in half a century. Flights from airports in Buenos Aires, Montevideo, and southern Brazilian cities were grounded due to clouds of ash high in the sky. Flights from airports in Buenos Aires, Montevideo, and southern Brazilian cities were grounded due to clouds of ash high in the sky. AFP PHOTO/Miguel ROJO (Photo credit should read MIGUEL ROJO/AFP/Getty Images)

O voo de ligação destas pessoas nunca chegou. (MIGUEL ROJO/AFP/Getty Images)

Assim, não falta quem prefira resolver a coisa (leia-se a viagem em questão) com apenas um voo para cada lado. Infelizmente para a maior parte da população — ou seja, todos aqueles que não têm um avião próprio — não é possível aceder a qualquer cidade do mundo em apenas um só voo. O espetro de escolha está — excluindo charters e ligações sazonais — reduzido à oferta dos voos comerciais regulares a partir dos aeroportos locais.

A partir de Lisboa, por exemplo, é possível aceder diretamente a cerca de 100 destinos. Apesar de o número poder impressionar, faltam algumas cidades icónicas mais distantes, como Los Angeles, Sydney, Tóquio ou Pequim (os voos diretos para a China começarão, segundo consta, em 2017). Pelo contrário, na lista completa, que segue abaixo, constam alguns destinos bem improváveis. Conheça 15 deles na fotogaleria.

Europa

Portugal – Faro, Porto, Funchal, Porto Santo, Funchal, Santa Maria, Ponta Delgada, Angra do Heroísmo, Pico, Horta
Espanha – Madrid, Corunha, Sevilha, Oviedo, Valência, Málaga, Bilbau, Barcelona, Las Palmas
França – Bordéus, Toulouse, Nantes, Marselha, Beauvais, Paris, Lyon, Nice, Lille
Inglaterra – Bristol, Londres, Liverpool, Manchester
Irlanda – Dublin
Escócia – Edimburgo
Suíça – Genebra, Basileia, Zurique
Itália – Milão, Pisa, Bolonha, Roma, Veneza
Luxemburgo – Cidade do Luxemburgo
Bélgica – Bruxelas
Alemanha – Frankfurt, Estugarda, Colónia, Dusseldorf, Munique, Bremen, Hanôver, Hamburgo, Berlim
Áustria – Viena
Holanda – Eindhoven, Amesterdão
República Checa – Praga
Dinamarca – Copenhaga
Suécia – Gotemburgo, Estocolmo
Hungria – Budapeste
Roménia – Bucareste
Polónia – Varsóvia
Noruega – Oslo
Islândia – Reiquiavique
Finlândia – Helsínquia
Moldávia – Chisinau
Turquia – Istambul
Ucrânia – Kiev
Rússia – Moscovo

África

Marrocos – Casablanca, Marraquexe, Tânger
Argélia – Argel
Tunísia – Tunes
Cabo Verde – Praia, Boa Vista, São Vicente, Sal
Guiné Bissau – Bissau
Senegal – Dakar
Mali – Bamako
Gana – Accra
São Tomé e Príncipe – São Tomé
Angola – Luanda
Moçambique – Maputo

América

Estados Unidos da América – Boston, Nova Iorque, Filadélfia, Miami
Canadá – Montreal, Toronto
Brasil – Fortaleza, Natal, Recife, Belém, Salvador, Manaus, Brasília, Belo Horizonte, Rio de Janeiro, São Paulo, Porto Alegre
Venezuela – Caracas
Colômbia – Bogotá
Panamá – Cidade do Panamá

Ásia

Emirados Árabes Unidos – Dubai