Quantas vezes já disse ou pensou: “não fui com a cara daquela pessoa”? Provavelmente a pessoa em questão nunca lhe fez mal nenhum nem foi antipática consigo, e a vossa interação pode ter durado apenas escassos minutos. Porque a verdade é que basta pouco tempo — segundos mesmo — para alguém perceber, ainda que inconscientemente, uma série de características de outra pessoa, desde a inteligência à promiscuidade.

Segundo a revista Time, são oito as impressões com que ficamos das pessoas assim que as conhecemos e que podem ditar o futuro da relação.

1. Se é de confiança

As pessoas conseguem perceber se outra pessoa é de confiança num décimo de segundo. Investigadores de Princeton chegaram a esta conclusão após dividirem um grupo de estudantes universitários em dois — ao primeiro foram dados 100 milésimos de segundo para avaliarem quão atraentes, competentes e de confiança eram as caras de uma seleção de atores, enquanto o segundo grupo podia levar o tempo que quisesse a escolher esses parâmetros.

Apesar de ter havido variações em alguns aspetos dependendo do tempo que os grupos passaram a olhar para a fisionomia dos atores, a perceção de confiança foi basicamente igual independentemente do tempo passado a observar.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

2. Se é de uma classe social alta

Um estudo holandês concluiu que as pessoas que usam roupas com a marca explícita – Lacoste e Tommy Hilfiger, mais precisamente – foram considerados de uma classe social mais alta do que as que não usavam marcas à vista. A roupa não altera outras perceções que possa ter de alguém, como confiança ou bondade, só influencia a perceção do status.

3. Se é inteligente

Um estudo de 2007, levado a cabo por Nora A. Murphy, da Loyola Marymount University, concluiu que olhar nos olhos da pessoa com quem está a falar é fundamental para perceber o seu grau de inteligência. “Olhar enquanto se fala é um comportamento chave”, diz a investigadora, já que pode correlacionar-se com o Q.I. e contribui para uma melhor perceção da inteligência. Note-se que falar expressivamente também ajuda.

4. Se é promíscua

Um estudo britânico descobriu que as mulheres com tatuagens visíveis eram consideradas menos atraentes, davam a ideia de que bebiam mais e eram mais promíscuas do que mulheres sem qualquer tinta — o que acaba por não passar de um estereótipo, diga-se.

5. Se é dominante

Continuando nas aparências e nos estudos, uma investigação da University of Pennsylvania concluiu que “os homens com o cabelo rapado foram classificados como mais dominantes do que homens idênticos mas com o cabelo grande” e que “homens cujo cabelo foi removido digitalmente foram classificados como mais dominantes, altos e fortes do que com o seu cabelo normal”. Se o seu cabelo está a começar a desaparecer, rape-o. Ao que parece os carecas são atraentes e poderosos.

6. Se é bem-sucedida

Barney Stinson, a mítica personagem interpretada por Neil Patrick Harris na série How I Met Your Mother, já seguia esta máxima: se quer parecer bem-sucedido, mande fazer fatos à medida. Num estudo britânico-turco, os participantes olharam para fotografias de homens vestidos com fatos feitos por um alfaiate e para homens que compraram os fatos já prontos ao longo de cinco segundos, e quem foi considerado mais bem-sucedido foram os homens dos fatos feitos por medida. Tudo porque um fato que assenta na perfeição melhora a imagem que o homem deixa passar aos outros.

7. Se está prestes a ser promovida

Num estudo canadiano realizado em 2011, foram mostradas fotografias de modelos masculinos vestidos formal e informalmente a estudantes universitários. De seguida foram-lhes perguntadas várias questões sobre como essas pessoas se sairiam em vários trabalhos. Os resultados foram claros: os modelos vestidos formalmente foram tidos não só como os que ganhavam mais mas também como aqueles que se esperava que fossem promovidos mais rapidamente.

8. Se é aventureira

As pessoas não leem as outras unicamente através da aparência, também o fazem pela forma como elas se movimentam. Num estudo da Durham University, foram mostrados a estudantes alguns vídeos de outros 26 estudantes a andar. Foram necessários apenas alguns passos para perceber a personalidade das pessoas. Os estudantes que tinham um passo mais largo foram percecionados como sendo mais extrovertidos e aventureiros, enquanto os que davam passos mais pequenos foram tidos como neuróticos.