Não é uma mera consulta, é quase uma comissão de revisão constitucional, a que Passos Coelho e Paulo Portas chamaram a uma reunião para falar sobre a Constituição. Há um ponto concreto na agenda: um acerto na Lei Fundamental que permita a convocação imediata de eleições, pondo fim à limitação de seis meses sem dissolução após eleições legislativas, prevista desde 1982.

Entre os especialistas chamados a um hotel de Lisboa há três ex-conselheiros de Cavaco Silva: Carlos Blanco de Morais, Gonçalo Matias e Joaquim Aguiar. E muitos nomes conhecidos do Governo de Passos. Poiares Maduro, ex-ministro. Assunção Esteves, ex-presidente da Assembleia da República e ex-juíza no TC. Também Miguel Morgado, ex-assessor de Passos e agora deputado. E Joaquim Cardoso da Costa, ex-secretário de Estado. Para além de constitucionalistas que fizeram pareceres para o Executivo aquando dos diplomas mais difíceis da era da troika, como Miguel Nogueira de Brito (Faculdade de Direito de Lisboa) e Jorge Pereira da Silva (Católica de Lisboa).

Fecha a lista com Catarina Santos Botelho (Católica do Porto), Gonçalo Almeida Ribeiro, Ricardo Leite Pinto (Univsersidade Lusíada), Afonso Oliveira Martins (Reitor da Lusíada) e Tiago Duarte.

Na reunião, segundo o Expresso, estão os deputados do PSD Teresa Leal Coelho, José Matos Correia, Miguel Morgado e Carlos Abreu Amorim; do CDS, como Telmo Correia; e eurodeputados como Paulo Rangel. Os membros do Governo presentes incluem Luís Marques Guedes, Rui Medeiros e Pedro Lomba (três peritos na Constituição), mais Carlos Costa Neves e Pedro Mota Soares.