A compra da Empresa Geral de Fomento (EGF) por parte da Mota Engil é para António Mota, presidente da gigante portuguesa da construção civil, é um dado adquirido. “Já pagámos”, justifica Mota que afirma não temer qualquer reversão do processo de privatização da EGF.

TAP e EGF são algumas das privatizações recentes que mais dúvidas levantam junto do PS e dos partidos que suportam o novo Governo no Parlamento, ou seja, PCP e Bloco de Esquerda. No entanto, António Mota disse ao Diário Económico que para a Mota Engil, a compra da Empresa Geral de Fomento –  que adquiriu através da SUMA – Serviços Urbanos e Meio Ambiente – é uma compra efetiva.

“Já pagámos, somos accionistas, está a funcionar, temos a gestão e o conselho de administração. […] Não receio nada, a gente adapta-se a tudo”, disse António Mota ao Diário Económico.