O Japão vai combater as alterações climáticas sem “sacrificar o progresso económico”, disse este domingo o primeiro-ministro, Shinzo Abe, após o acordo internacional alcançado no sábado em Paris, para reduzir as emissões de gases de efeito estufa.

“Vamos atingir (o objetivo) sem sacrificar o nosso crescimento económico”, disse o governante, num comunicado, divulgado pela agência Kyodo. Tóquio comprometeu-se a reduzir os seus níveis de emissões registados em 2013 em 26 por cento até 2030.

Abe elogiou o primeiro acordo universal para combater as alterações climáticas adotado na cimeira do clima (COP21), na capital francesa, descrevendo-o como “justo” e sublinhou que o seu executivo aplicará o acordo como um “assunto de extrema prioridade”. “Vamos aumentar ainda mais a força do Japão (na luta contra o aquecimento global) e continuaremos a desempenhar um papel de liderança na comunidade internacional”, disse Abe.

A Conferência das Nações Unidas sobre Alterações Climáticas (COP21) aprovou no sábado um acordo global vinculativo entre 195 países, desenvolvidos e em desenvolvimento, que se comprometem a caminhar para uma economia de baixo carbono e tomarem medidas para limitarem o aquecimento global da atmosfera até 2100 a 1,5 graus centígrados, em relação aos valores médios da era pré-industrial. O acordo de Paris vai entrar em vigor em 2020.