Donald Trump usou este sábado a rede social Twitter para responder a uma crítica de Hillary Clinton, que o acusara de ter uma “tendência para o sexismo“. Para o candidato à nomeação Republicana, vinda dos Clinton esta é uma crítica “inapropriada” já que, na opinião de Trump, quem tem essa “tendência para o sexismo” é o marido de Hillary Clinton, Bill.

Em letras maiúsculas, garrafais, Trump mostrou que gostou muito pouco de ouvir Hillary Clinton dizer que o Republicano tinha uma “tendência para o sexismo”. Segundo a CNN, Hillary Clinton deu uma entrevista a um jornal da cidade de Des Moines em que a candidata à nomeação Democrata para as eleições de 2016 tinha criticado Trump por ter, em 2008, usado uma expressão sugestiva (schlonged) para se referir à vitória esmagadora de Obama sobre Hillary na Primárias Democratas.

A entrevista de Hillary chegou aos ouvidos de Donald Trump, que já na quarta-feira tinha feito um outro tweet a garantir que tem “grande respeito pelas mulheres” e a recomendar a Hillary que tivesse “cuidado”.

Mas este sábado Trump decidiu, portanto, voltar à carga e envolver o marido de Hillary Clinton, Bill, que no final da sua Presidência, nos anos 90, esteve no centro de vários escândalos de infidelidade. Foi nessa altura que nomes como Monica Lewinsky e Paula Jones saltaram para a ribalta, tratando-se de mulheres que estiveram sexualmente envolvidas com Bill Clinton.

Trump não se ficou, contudo, pelos tweets. Uma porta-voz da sua campanha, Katrina Pierson, disse acerca deste caso que Hillary Clinton era uma hipócrita por colar Trump a uma imagem de sexismo quando “tem um problema grave com o seu marido”. Hillary “tem muita lata”, afirmou a porta-voz da campanha de Trump, tendo em conta os “segredos misóginos e sexistas” do marido.