Rádio Observador

Orçamento do Estado

CFP. Défice sem medidas extraordinárias fica entre 2,9% e 3%. Dívida volta a furar meta

O Conselho de Finanças Públicas estima que o défice de 2015 fique "entre os 2,9% e os 3%" do PIB. A dívida pública volta a furar a meta prevista e ultrapassar os 129% do PIB.

TIAGO PETINGA/LUSA

O Conselho de Finanças Públicas (CFP) considerou que “não se afigura possível” que o défice orçamental excluindo medidas extraordinárias fique nos 2,8% em 2015, como previsto pelo Governo, estimando que fique “entre os 2,9% e os 3%”.

No seu relatório “Evolução económica e orçamental até ao final do 3.º trimestre e perspetivas para 2015”, hoje publicado, o CFP escreve que “o cumprimento da meta do Orçamento do Estado para 2015 [OE 2015] ajustada de medidas temporárias e não recorrentes (-2,8% do PIB) implicaria que o défice não ultrapassasse 0,5% do PIB no último trimestre de 2015” e acrescenta que “tal não se afigura possível”.

No entanto, a entidade liderada por Teodora Cardoso prevê que, em termos ajustados, o défice orçamental de 2015 “fique entre os 2,9% e os 3%” do Produto Interno Bruto (PIB), mas que, não ajustando o desempenho orçamental dessas medidas, o défice “irá exceder o limite de 3% do PIB, na sequência da medida de resolução do Banif, ocorrida no passado mês de dezembro, que envolveu um auxílio público de montante significativo”.

Assim, o CFP entende que “o objetivo para o saldo orçamental estabelecido no OE 2015 não será cumprido”, mas admite que “o défice orçamental não exceda 3% do PIB em termos ajustados” no conjunto do ano de 2015.

O organismo destaca que o défice orçamental registado até setembro do ano passado, de 3,6% do PIB, “representa já 95,4% do valor nominal (ajustado) previsto para 2015, enquanto em igual período do ano anterior correspondia a 85,7% do valor registado no final desse ano”.

Dívida acima de 129%. Outra vez o Banif

A dívida pública também vai furar as metas para 2015, com uma derrapagem maior. Segundo o Conselho de Finanças Públicas, a dívida ter ficado “acima dos 129% do PIB” no final do ano passado.

“O rácio da dívida pública deverá terminar o ano acima da estimativa do Ministério das Finanças” do anterior Governo, que apontava para os 124,4% no Programa de Estabilidade e que foi revista em alta para os 125,2% do PIB na segunda notificação no âmbito do Procedimento dos Défices Excessivos. O Governo de António Costa, por sua vez, previu que a dívida ficaria nos 128,2% do PIB em 2015.

A instituição liderada por Teodora Cardoso conclui que, para reduzir a dívida para os 124,2% do PIB, isso “implicaria uma redução de cerca de 6,3 pontos percentuais do PIB no último trimestre” e que, “para alcançar o objetivo nominal traçado pelo Ministério das Finanças, o ‘stock’ da dívida deveria ter-se reduzido em 2,7 mil milhões de euros ao longo de 2015, o que não se veio a verificar até final de novembro”.

Nos primeiros onze meses do ano passado, o valor nominal de dívida pública “foi sempre superior ao valor registado no final de 2014”, tendo atingido em novembro 231,3 mil milhões de euros, recorda o CFP.

O organismo acrescenta que, de acordo com a informação disponível, se espera que “o efeito conjugado das operações ocorridas no mês de dezembro [a medida de resolução do Banif], não tenha permitido alcançar aquela meta”.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)