O presidente-executivo do BPI, Fernando Ulrich, diz que não teve qualquer problema com o processo que levou à compra do Banif pelo Santander e vê com bons olhos que aquela operação bancária tenha sido “bem entregue” a uma instituição “sólida e forte” como o Santander Totta. Noutra matéria, a que diz respeito ao Novo Banco, Ulrich imitou as palavras que tinham sido proferidas por António Vieira Monteiro, presidente do Santander Totta, horas antes: “Vamos olhar” para o processo, que está agora a ser relançado.

Fernando Ulrich não quis alongar-se em comentários sobre o Banif. “A única coisa que comento hoje é que não tenho nenhuma preocupação pelo facto de a operação do Banif, na componente de saber com quem se negociou, quanto a isso não tenho nada a dizer. O Santander é um banco sólido, forte. Sobre o facto de o Banif, que tinha os seus problemas, ter sido integrado no Santander, o que digo é que espero que corra bem. Não somos invejosos nem ciumentos”.

Perante a insistência dos jornalistas presentes na conferência de imprensa de apresentação dos resultados anuais, Ulrich disse um pouco mais. “O processo de venda do Banif foi organizado pelo Conselho de Administração do Banif, em articulação com as autoridades. Penso que as entidades que concorreram foram convidadas, o BPI não foi convidado. Encaramos isso com total normalidade”. E adiantou: “Eu diria que mesmo que tivesse sido convidado, provavelmente o BPI não teria feito uma proposta”.

Ainda assim, “apesar de o BPI não ter sido convidado, não era segredo que havia movimentos a passar-se”, pelo que “se o BPI estivesse interessado, talvez tivesse perguntado a alguém se podíamos participar”, rematou Ulrich, repetindo que vê o resultado desta questão com tranquilidade: “Estamos tranquilos com a solução, com o facto de o Santander ter ficado com a operação. O banco está muito bem entregue” ao Santander Totta, sublinhou Ulrich.

E não lhe causa apreensão as responsabilidades adicionais para o Fundo de Resolução, para o qual o BPI é contribuinte? “Eu não quero dizer nada sobre o processo – o que tiver de dizer ao Fundo de Resolução, eu digo ao Fundo de Resolução”.

Por falar em Fundo de Resolução, quanto ao processo do Novo Banco – detido em 100% pelo dito Fundo de Resolução – Ulrich notou o seguinte: “Aquilo que sabemos é que o novo processo de venda se irá iniciar com alguma brevidade. Hoje só digo que quando for dado início ao processo de venda, analisaremos as condições”.

Sobre esta mesma questão, Ulrich diz que vai esperar que seja divulgada mais informação sobre a venda: “Não sei como é que o banco está. Não tenho informação sobre o banco. A informação será divulgada” e o BPI irá aguardar por esse momento antes de fazer mais considerações.