O PSD questionou o Governo sobre a política de prevenção e combate à violência doméstica e de género, argumentando que a formação da GNR e PSP e o atendimento específico das vítimas não podem ser interrompidas.

A pergunta foi subscrita pela deputada social-democrata e ex-secretária de Estado da Igualdade Teresa Morais, que quer saber se haverá continuidade ao “grande esforço na prevenção e combate à violência doméstica e de género” que reclama ter sido efetuado pelo anterior Governo.

“Um dos aspetos em que esse trabalho foi muito intenso foi precisamente relativamente às forças de segurança. A atitude dos elementos da PSP e da GNR, a sua preparação para o atendimento das vítimas, a sensibilidade relativamente a esses casos e as soluções encontradas para cada caso concreto são absolutamente essenciais e determinantes na proteção das vítimas”, afirmou Teresa Morais.

Além da formação de mais de 20 mil elementos da GNR e da PSP, entre formação direta e formação de formadores para replicarem esse trabalho, foram também “alargados os espaços de atendimento específicos às vítimas de violência doméstica em esquadras e postos territoriais”.

Teresa Morais quer saber “o que é que o Governo está a fazer para dar continuidade a esse investimento, que não pode ser interrompido, a bem da prevenção e do combate à violência domestica e de género, que é um combate civilizacional”.

A deputada quer saber quantas ações de formação estão previstas para 2016, quantas pessoas receberão essa formação e em quantos postos territoriais e esquadras serão criados espaços específicos para atendimento de vítimas de violência doméstica e de género.