Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

O orçamento português parece “instável”, afirmou Jeroen Dijsselbloem, o presidente do Eurogrupo no parlamento holandês, citado pela agência Bloomberg. Esta declaração surge depois da Comissão Europeia ter dado luz verde, com reservas, à proposta orçamental de Lisboa para 2016, no final da semana passada e só após o executivo de António Costa ter apresentado medidas adicionais de consolidação e uma meta mais ambiciosa para o défice.

Nesta intervenção no parlamento holandês, o líder do Eurogrupo, entidade que reúne os países da zona euro, deixou também um recado à Grécia. Segundo Dijsselbloem, Atenas não irá receber o terceiro pacote de ajuda financeira, enquanto não apresentar uma reforma do sistema de pensões que convença os credores internacionais.

Ainda a partir do parlamento da Holanda, Dijsselbloem falou sobre a união bancária, avisando que o esquema único europeu de garantia de depósitos vai demorar anos até estar operacional.