Miguel Relvas

Miguel Relvas. Ministério Público diz que decisão de reitor da Lusófona é “ilegal”

Ministério Público diz que o atual reitor da Universidade Lusófona mudou regulamento interno de forma retroativa para salvaguardar licenciatura de Miguel Relvas, quando esta já estava a ser auditada.

MIGUEL A. LOPES/LUSA

O Ministério Público (MP) determinou que o atual reitor da Universidade Lusófona, Mário Moutinho, tentou mudar retroativamente o Regulamento Pedagógico do curso de Ciência Política, para poder salvaguardar a licenciatura de Miguel Relvas em 2012, quando este já era ministro. Num despacho do MP a que o jornal Público teve acesso, é dito que a decisão de Mário Moutinho “é ilegal e padece de desvio de poder, violando também os princípios da legalidade, da imparcialidade e da igualdade”.

Segundo o MP, Mário Moutinho alterou o Regulamento Pedagógico no seguimento de uma auditoria que foi feita em 2012, por ordem do então ministro da Educação, Nuno Crato, onde foram levantadas várias questões à atribuição da licenciatura de Miguel Relvas.

Segundo o jornal Público, a juíza Isabel Portela Costa, do Tribunal Administrativo de Círculo de Lisboa, pediu a nulidade de quatro atos da Lusófona:

  1. Um despacho do diretor da licenciatura de Ciência Política onde eram determinados os créditos atribuídos a seis disciplinas;
  2. A classificação na cadeira de Introdução ao Pensamento Contemporâneo, onde Relvas teve 18 com base na avaliação de seis textos de opinião publicados na imprensa e uma prova oral que foi feita com o então reitor e não com o docente responsável por aquela disciplina;
  3. A atribuição da licenciatura, com um total de 180 créditos, 160 dos quais atribuídos pela experiência de Relvas. O MP refere a “ininteligibilidade e impossibilidade do objeto”, referindo que algumas das equivalências atribuídas a Miguel Relvas não faziam parte da licenciatura de Ciência Política nem funcionaram no ano letivo de 2006/2007, quando Relvas frequentou a Lusófona;
  4. O despacho de dezembro de 2012 em que Mário Moutinho foi contra os estatutos da Lusófona, ao tentar validar a cadeira e os créditos atribuídos por ele próprio a Miguel Relvas.

O processo relacionado com a licenciatura de Miguel Relvas entrou no Tribunal Administrativo no verão de 2013 e até agora não há data prevista para a leitura da sentença. Até agora, não há qualquer decisão. Enquanto o Ministério Público considera que o grau académico do antigo ministro do governo de Pedro Passos Coelho é nula, a sua defesa diz que esta é apenas “anulável”. Porém, a defesa de Relvas, a cargo do advogado Castanheira Neves, defende que a ação do MP caducou devido à demora do processo, o que tornará inviável a anulação do grau académico de Relvas.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: jadias@observador.pt
Investimento público

A tragédia de Pedro Marques

Inês Domingos
251

Com um quadro Centeno confessou inadvertidamente como foi um dos principais responsáveis pelo desastre de atuação de Pedro Marques, sendo que este também não foi capaz de aplicar os fundos de Bruxelas

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)