Rádio Observador

Militares

Oficiais criticam demissão, ministro escolhe sucessor

298

A forma como o ministro da Defesa lidou com a situação de discriminação no Colégio Militar e a forma rápida como o PR aceitou o pedido de demissão não foram bem vistas dentro do meio.

ANTÓNIO COTRIM/LUSA

A demissão, na semana passada, do Chefe do Estado-Maior do Exército na sequência das discriminações existentes no Colégio Militar tem motivado criticas entre oficiais e generais fora do ativo, que não viram com bons olhos a forma como o ministro da Defesa e o Presidente da República lidaram com o caso. Enquanto a Associação de Oficiais das Forças Armadas considerou “lamentável” a atitude do ministro, o coronel Carlos Matos Gomes foi mais longe alargando as críticas ao Presidente da República, que diz ter “violado a Constituição” quando aceitou o pedido de demissão.

Contactado pelo Observador, o ministro da Defesa, Azeredo Lopes, não quis comentar o caso, referindo aliás que “não há caso nenhum”, e que as críticas são “opiniões”, que devem ser respeitadas como tal. Em causa está o facto de o pedido de demissão do general Carlos Jerónimo ter ocorrido dois dias depois de o ministro da Defesa lhe ter pedido, em declarações ao Diário de Notícias, um esclarecimento a propósito de afirmações feitas pelo subdiretor do Colégio Militar ao Observador sobre discriminação dos alunos homossexuais.

Uma das vozes mais críticas é a do coronel Carlos Matos Gomes que, na sua página de Facebook, atacou a forma como o caso foi conduzido, falando em “duplo crime” da parte do ministro e do PR: se, por um lado, a exigência do ministro ao chefe do exército para demitir o dirigente do Colégio Militar é “ilegítima”, por outro lado, a aceitação do pedido de demissão pela parte do Presidente é também uma “violação da Constituição” em si mesmo, por se basear no facto de o general se ter recusado a cumprir uma ordem que era “ilegítima”.

Face ao crime de ofensa à Constituição, o Ministro dá ordem ao Chefe de Estado Maior para demitir o subdiretor do CM – Duplo crime: A) Os Chefes de Estado-Maior dos Ramos das Forças Armadas, os ministros da Defesa e os Presidentes da República têm competências constitucionais, nenhuma delas inclui o PR e o Ministro da Defesa se substituam e se antecipem aos Chefes de Estado-Maior na administração da Justiça e na manutenção da Disciplina no seu ramo. A ordem do Ministro é ilegítima. Crime. B) A aceitação da demissão do CEME por parte do PR, por não aceitar uma ordem ilegítima, viola a Constituição”, escreve o coronel.

Antes, já o presidente da Associação de Oficiais das Forças Armadas, o coronel Pereira Cracel, tinha considerado, em declarações à agência Lusa, “lamentável” a forma como o ministro da Defesa lidou com a situação, considerando mesmo a atitude de “institucionalmente incorreta”. “Não agiu da melhor forma. No decorrer do processo havia outras formas de abordar a questão e efetivamente o político é o sr. ministro (…). As coisas podiam resolver-se de outra forma, não é vir para a praça pública com um comunicado em jeito de puxão de orelhas”, disse.

No entender do Pereira Cracel, o ministro da Defesa poderia ter assumido “outra postura para evitar um desfecho como o que aconteceu”, ou seja, a demissão do Chefe do Exército. “Olhando para o que foram os factos e como foi encarado, o sr. ministro não esteve nos melhores dias”, acrescentou.

Em causa está o facto de não ter sido aberto qualquer inquérito ou processo disciplinar para apurar os contornos da alegada discriminação existente no Colégio Militar em função da orientação sexual dos alunos e de, em vez disso, o ministro ter exigido logo a demissão do subdiretor do Colégio, o tenente-coronel António Grilo. Segundo o Diário de Notícias, terá sido precisamente essa interferência do governante na hierarquia militar que motivou o pedido de demissão. Carlos Jerónimo não deu seguimento à exigência do ministro, classificando-a de “ingerência” na cadeia de comando militar, e dois dias depois apresentou a demissão.

A própria Associação de Oficiais das Forças Armadas afirma ter procurado perceber melhor os contornos da afirmação do subdiretor do Colégio Militar ao Observador – que admitiu haver “exclusão” da parte dos alunos que mostravam “afetos homossexuais” – tendo concluído que o contexto das declarações era apenas o contexto de internato e que as regras de “gestão dos afetos” tanto valem para manifestações de afetos homossexuais como heterossexuais, ou seja, não há discriminação.

Nas situações de afetos [homossexuais], obviamente não podemos fazer transferência de escola. Falamos com o encarregado de educação para que perceba que o filho acabou de perder espaço de convivência interna e a partir daí vai ter grandes dificuldades de relacionamento com os pares. Porque é o que se verifica. São excluídos”, disse o subdiretor do Colégio Militar, António Grilo, ao Observador, numa reportagem publicada no início do mês.

Ministro à procura do novo chefe do Exército

De acordo com o Diário de Notícias, o ministro da Defesa começou esta segunda-feira a ouvir os quatro candidatos mais bem posicionados para suceder ao general Carlos Jerónimo no lugar de Chefe do Estado-Maior do Exército – informação que o governante, questionado pelo Observador, “não confirma nem desmente”.

Trata-se de quatro tenentes-generais do Exército: José Carlos Calçada, Fernando Serafino, Rovisco Duarte e Faria Menezes, sendo que o mais bem colocado para o lugar deverá ser o primeiro. O processo formal da escolha do próximo Chefe do Estado-Maior do Exército passa pela audição dos candidatos por parte do tutelar da pasta no Governo, que tem ainda de ouvir o Chefe do Estado-Maior-General das Forças Armadas e o Conselho Superior do Exército.

No final, o nome proposto pelo Governo segue para o Presidente da República, que é o comandante supremo das Forças Armadas, que decide se aceita ou não. José Carlos Calçada, o nome que segue com vantagem, é atualmente comandante do Pessoas do Exército e secretário do Conselho Superior de Defesa Nacional.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: rdinis@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)