Um fundo de Hong Kong, o Ample Harvest Investment Capital, terá feito em maio de 2015 uma oferta pelo Banif que poderia ascender a 700 milhões de euros. O jornal Público avança que esta oferta, não sendo vinculativa, era mais estruturada do que uma mera manifestação de interesse. Mas os representantes do Estado na administração terão considerado que a oferta não era oportuna e não permitiram que o Ample fizesse uma análise aprofundada das contas do banco (due dilligence).

O Público não especifica onde obteve a informação nem cita nenhum documento, notando que a oferta de Hong Kong não consta da documentação enviada pelo Banif à Comissão de Inquérito Parlamentar. Mas o jornal garante que os representantes do Estado no banco levantaram obstáculos a essa due dilligence pedida pelo Ample. Segundo a informação recolhida pelo jornal, a oferta pelos 60% do Estado no banco permitia manter toda a rede de balcões e a manutenção dos postos de trabalho.

Segundo o jornal, a oferta terá sido rejeitada pelos representantes do Estado — que não surgem citados na notícia — porque implicava uma perda de 15% face aos 825 milhões que o Banif devia ao Estado e porque estava em curso o processo de venda do Novo Banco. Existia a confiança de que após esse processo — que viria a ser interrompido em agosto — o Banif poderia ser vendido e o Estado ser ressarcido na totalidade.

O antigo presidente-executivo do Banif, Jorge Tomé, falou na comissão de inquérito numa proposta que tinha um valor de referência — presumivelmente esta, da Ample — mas nunca indicou que teriam sido os representantes do Estado a bloquear essa oferta.

Na audição de Jorge Tomé, o gestor já tinha dito que o administrador do Estado tinha travado uma tentativa para vender Banif há cerca de um ano.

Nessa altura, o representante do Estado que tinha ficado com o lugar de António Varela era Miguel Barbosa, hoje o presidente do veículo Oitante, que gere os ativos extraídos do Banif e não vendidos ao Santander. O Observador tentou contactar Miguel Barbosa, mas fonte oficial da Oitante afirmou que não serão feitos quaisquer comentários.