Governo

Antigo chefe de missão do FMI em Portugal pede mais austeridade

140

O dinamarquês Poul Thomsen considera que Portugal "está melhor do que antes da crise", mas são necessárias "medidas adicionais" para atingir a meta de défice.

YANNIS KOLESIDIS/EPA

Não é novidade que o Fundo Monetário Internacional [FMI] considera irrealista a meta de défice de 2,2% do PIB inscrita pelo Governo no Orçamento do Estado. Mas agora é o antigo chefe de missão do FMI em Portugal a dizer que os esforços de consolidação orçamental nos últimos dois anos vão no “caminho errado” e que são necessárias “medidas adicionais”, ou seja, mais austeridade.

As declarações de Poul Thomsen foram feitas durante uma conferência de imprensa nos Encontros de Primavera do FMI, em Washington. O atual diretor do departamento europeu do FMI, citado pela Reuters, considera que “houve um relaxamento orçamental nos últimos dois anos, que claramente vai na direção errada para um país que não tem margem orçamental e possui uma dívida elevada.”

E acrescentou, Thomsen, entre o alerta e o elogio: “Portugal está numa situação difícil. Implementou importantes reformas estruturais e está numa posição fundamentalmente melhor do que antes da crise. Mas achamos [FMI] que são necessárias medidas adicionais para atingir o objetivo de 2,2% a 2,3% de défice que o Governo definiu para si próprio.”

Recorde-se que as previsões do FMI apontam para um défice orçamental de 2,9% este ano.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Política

Podemos falar de coisas sérias?

Salvador Furtado

Outubro já não está assim tão distante, e o governo sabe isso. Mas o assunto da maior carga fiscal de sempre? E o da corrupção? E o de sermos um dos países com um dos piores crescimentos da zona euro?

Crónica

Portugal, país-slime /premium

Helena Matos
364

Estão a ver aquela massa viscosa com que as crianças se entretêm? O slime, claro. Portugal está a tornar-se num país-slime, onde os valores são moldados a gosto e a responsabilidade não  existe.

Ambiente

A onda verde na UE e os nacionalismos

Inês Pina

Se hoje reduzíssemos as emissões de CO2 a zero já não impedíamos a subida de dois graus centígrados. E estes “míseros” dois graus vão conduzir ao fim das calotas polares e à subida do nível do mar.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)