O vice-presidente do Banco Central Europeu (BCE), Vítor Constâncio, disse esta segunda-feira que a integração financeira europeia continua, mas que abrandou desde a primavera e verão do ano passado.

Constâncio destacou que deve concluir-se a União Bancária, numa conferência conjunta do BCE a da Comissão Europeia (CE) sobre a integração financeira europeia, em Frankfurt.

O vice-presidente do BCE mostrou-se a favor da criação de uma garantia europeia de depósitos, à qual a Alemanha se opõe.

As recentes turbulências financeiras não deveriam prejudicar o processo de integração na Europa, segundo Constâncio, que instou a desenvolver mais os mercados europeus e integrar os mercados bancários de retalho para fortalecer a resistência do sistema financeiro.

Na sua informação de Integração Financeira na Europa, o BCE assegura que as taxas dos empréstimos na banca de retalho convergem entre os países.

Não obstante, desde a primavera e o verão do ano passado observa-se uma desaceleração do processo de integração e divergências na rendibilidade dos títulos, que se explica pelo aumento da aversão ao risco nos mercados financeiros globais e os indicadores económicos de alguns países.

A informação também explica o apoio do Eurosistema, formado pelo BCE e os bancos centrais nacionais e a Comissão Europeia, à criação de uma garantia de depósitos, o terceiro pilar de uma União Bancária.