Rádio Observador

Crise no GES

Expresso responde ao sindicato. Jornalistas são tratados como todas as profissões

111

Diretor do Expresso recusa revelar só os jornalistas que alegadamente receberam pagamentos do Grupo Espírito Santo. Pedro Santos Guerreiro defende que o critério é igual para todas as profissões.

Sara Matos

O diretor do Expresso já respondeu ao Sindicato dos Jornalistas a propósito do pedido para divulgar os nomes dos jornalistas que fazem parte da lista de alegados pagamentos feitos pelo Grupo Espírito Santo (GES) ao longo de vários anos. Numa nota editorial, Pedro Santos Guerreiro defende que os jornalistas têm direito ao mesmo tratamento que outras profissões quando está em causa a revelação deste tipo de suspeitas e admite ainda que as “pressões externas para publicação de nomes têm sido grandes”.

O diretor do jornal começa por separar a investigação à ES Enterprise do grupo GES, desenvolvida pela justiça portuguesa, e o Panama Papers, um projeto do Consórcio Internacional de Jornalistas de Investigação que tem vindo a revelar informação sobre empresas e cidadãos de vários países que usaram offshores no Panamá, e cujas identidades têm sido divulgadas por vários órgãos de comunicação.

A lista revelada pelo Expresso, na edição de sábado passado, está na posse do Ministério Público e não resulta do projeto Panama Papers. Esta lista tem mais de 100 nomes de pessoas, políticos, gestores, funcionários públicos e jornalistas, que receberia compensações regulares ou avenças pagas pela ES Enteprise, empresa do GES quem sido investigada pela justiça portuguesa por suspeitas de funcionar como um saco azul, para realizar pagamentos fora das contas do grupo. Alguns dos pagamentos via ES Enterprise passaram por offshores no Panamá. 

Em reação, o Sindicato de Jornalistas instou a que fossem revelados os nomes dos mencionados “jornalistas”, à semelhança do que tem acontecido, aliás, com outros profissionais, de forma a poder atuar em conformidade nos casos que, e se, vierem a ser provados”. 

O diretor do jornal explica que o critério editorial usado para tratar suspeitas sobre cidadãos é rigorosamente o mesmo em todas as profissões referidas. “Retirar qualquer uma delas seria fazer uma diferença de classe. Assim escrevemos sobre a existência de “mais de uma centena de nomes que constam nessa lista de várias páginas”, que “incluem várias pessoas influentes”, “políticos”, “pagamentos durante vários anos a gestores do BES e da Portugal Telecom”, “ex-gestores, autarcas, funcionários públicos, gestores, empresários e jornalistas”.

E sublinha que a publicação de nomes só é feita quando o trabalho jornalístico de recolha de fontes, confirmação, contraditório e audição de partes atendíveis o permite. Isto vale para jornalistas e para outros profissionais.

Reconhece que as pressões externas para publicação de nomes têm sido grandes, o que é compreensível tendo em conta a vontade de ser informado. Mas “informar com rigor não é publicar listas de nomes”, realça ainda o diretor do Expresso numa resposta pública, tal como a carta enviada pelo Sindicato de Jornalistas que foi tornada pública, através de comunicado.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: asuspiro@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)