Iraque

Sampaio pensava que Cimeira era para evitar a guerra no Iraque

647

Jorge Sampaio diz que não lhe cabia, enquanto Presidente, autorizar a Cimeira que decidiu pela invasão do Iraque, mas que nunca concordou com a entrada naquele País.

Sampaio afirma que nunca concordou com a invasão do Iraque

MÁRIO CRUZ/LUSA

O antigo Presidente da República, Jorge Sampaio, respondeu, este sábado, a Durão Barroso, afirmando que “não cabe ao Presidente autorizar ou deixar de autorizar atos de política externa”, desmentindo o ex-primeiro-ministro, que em entrevista à SIC e ao Expresso, disse que Sampaio concordou com a Cimeira das Lajes. Um dia depois, em resposta ao Diário de Notícias, Sampaio reitera que tinha uma visão divergente da de Durão Barroso relativamente à questão do Iraque e que concordou com a Cimeira por lhe ter sido transmitido que era uma cimeira para a paz.

A primeira resposta de Jorge Sampaio a Durão Barroso surgiu em forma de artigo de opinião no jornal Público este sábado, precisamente no dia em que a SIC e o Expresso divulgaram a entrevista ao antigo primeiro-ministro, Durão Barroso.

Confrontado sobre a invasão do Iraque, decisão saída da Cimeira das Lajes, Durão Barroso admitiu que, na altura, era favorável por causa dos argumentos e documentos que lhe apresentaram, entre eles a existência de armas de destruição maciça. Durão Barroso admitiu que se fosse hoje, “não teria tomado a mesma decisão”. Mas, afirma que falou com Sampaio e que este concordara, assim como o parlamento.

No Público, com o título “Iraque, evocações presidenciais”, Jorge Sampaio começou por referir que “costuma dizer-se que a memória é seletiva e que os relatos históricos são reconstruções narrativas”, para depois sublinhar que “as chamadas fontes em história permitem colmatar lacunas e reconstituir factos passados”. Ao longo do artigo, Sampaio acabaria por desmentir as afirmações de Barroso.

Este domingo, o Diário de Notícias voltou ao tema, perguntando diretamente a Jorge Sampaio se tinha ou não concordado com a Cimeira das Lajes, ocorrida a 16 de março de 2003. Jorge Sampaio respondeu que foi contactado dois dias antes da realização da cimeira, numa reunião de urgência, e que o argumento de Durão Barroso era de “de que se tratava da derradeira tentativa para a paz e para evitar a guerra no Iraque“. Pelo que Sampaio anuiu. Foi também isso que Durão Barroso disse aos portugueses, a 15 de março, em direto na televisão: “a Cimeira dos Açores não resultará em nenhuma declaração de guerra, isso posso garantir.” Afinal acabou por decidir-se pela invasão do Iraque. O que aconteceu três dias depois do encontro internacional nos Açores.

O antigo chefe de Estado lembra que desde “o primeiro momento em que a questão do Iraque surgiu na agenda nacional, no início de setembro de 2002” ficou “claro” que os dois tinham pontos de vista diferentes. Como Presidente da República, Jorge Sampaio, não podia fazer muito quanto à condução da política externa do País — que cabe ao Governo — mas acabou por marcar a sua posição opondo-se ao envio de tropas para o Iraque. E fê-lo enquanto “comandante supremo das Forças Armadas”.

(Artigo atualizado às 10h20 do dia 8 de maio de 2016)

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Brexit

Boris Johnson /premium

João Marques de Almeida

Em Londres, só um louco ou um suicida é que defenderiam o acordo assinado com a União Europeia. Resta saber se os líderes europeus terão a lucidez de reconhecer o evidente: o acordo que existe morreu.

União Europeia

A Europa Social em questão

António Covas

A UE terá de conceber e implementar, por via de uma “cooperação reforçada”, um programa de ação em matéria de espaço social europeu, à semelhança do que se fez com o mercado único ou a moeda única.

Finanças Públicas

Como evitar um 4º resgate? /premium

Paulo Trigo Pereira

Portugal necessita de mais doze anos (três legislaturas completas) de crescimento económico e de finanças públicas quase equilibradas para sair da zona de risco financeiro em que ainda se encontra.

Brexit

Boris Johnson /premium

João Marques de Almeida

Em Londres, só um louco ou um suicida é que defenderiam o acordo assinado com a União Europeia. Resta saber se os líderes europeus terão a lucidez de reconhecer o evidente: o acordo que existe morreu.

Ambiente

A onda verde na UE e os nacionalismos

Inês Pina

Se hoje reduzíssemos as emissões de CO2 a zero já não impedíamos a subida de dois graus centígrados. E estes “míseros” dois graus vão conduzir ao fim das calotas polares e à subida do nível do mar.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)