Rádio Observador

Iraque

Sampaio pensava que Cimeira era para evitar a guerra no Iraque

647

Jorge Sampaio diz que não lhe cabia, enquanto Presidente, autorizar a Cimeira que decidiu pela invasão do Iraque, mas que nunca concordou com a entrada naquele País.

Sampaio afirma que nunca concordou com a invasão do Iraque

MÁRIO CRUZ/LUSA

O antigo Presidente da República, Jorge Sampaio, respondeu, este sábado, a Durão Barroso, afirmando que “não cabe ao Presidente autorizar ou deixar de autorizar atos de política externa”, desmentindo o ex-primeiro-ministro, que em entrevista à SIC e ao Expresso, disse que Sampaio concordou com a Cimeira das Lajes. Um dia depois, em resposta ao Diário de Notícias, Sampaio reitera que tinha uma visão divergente da de Durão Barroso relativamente à questão do Iraque e que concordou com a Cimeira por lhe ter sido transmitido que era uma cimeira para a paz.

A primeira resposta de Jorge Sampaio a Durão Barroso surgiu em forma de artigo de opinião no jornal Público este sábado, precisamente no dia em que a SIC e o Expresso divulgaram a entrevista ao antigo primeiro-ministro, Durão Barroso.

Confrontado sobre a invasão do Iraque, decisão saída da Cimeira das Lajes, Durão Barroso admitiu que, na altura, era favorável por causa dos argumentos e documentos que lhe apresentaram, entre eles a existência de armas de destruição maciça. Durão Barroso admitiu que se fosse hoje, “não teria tomado a mesma decisão”. Mas, afirma que falou com Sampaio e que este concordara, assim como o parlamento.

No Público, com o título “Iraque, evocações presidenciais”, Jorge Sampaio começou por referir que “costuma dizer-se que a memória é seletiva e que os relatos históricos são reconstruções narrativas”, para depois sublinhar que “as chamadas fontes em história permitem colmatar lacunas e reconstituir factos passados”. Ao longo do artigo, Sampaio acabaria por desmentir as afirmações de Barroso.

Este domingo, o Diário de Notícias voltou ao tema, perguntando diretamente a Jorge Sampaio se tinha ou não concordado com a Cimeira das Lajes, ocorrida a 16 de março de 2003. Jorge Sampaio respondeu que foi contactado dois dias antes da realização da cimeira, numa reunião de urgência, e que o argumento de Durão Barroso era de “de que se tratava da derradeira tentativa para a paz e para evitar a guerra no Iraque“. Pelo que Sampaio anuiu. Foi também isso que Durão Barroso disse aos portugueses, a 15 de março, em direto na televisão: “a Cimeira dos Açores não resultará em nenhuma declaração de guerra, isso posso garantir.” Afinal acabou por decidir-se pela invasão do Iraque. O que aconteceu três dias depois do encontro internacional nos Açores.

O antigo chefe de Estado lembra que desde “o primeiro momento em que a questão do Iraque surgiu na agenda nacional, no início de setembro de 2002” ficou “claro” que os dois tinham pontos de vista diferentes. Como Presidente da República, Jorge Sampaio, não podia fazer muito quanto à condução da política externa do País — que cabe ao Governo — mas acabou por marcar a sua posição opondo-se ao envio de tropas para o Iraque. E fê-lo enquanto “comandante supremo das Forças Armadas”.

(Artigo atualizado às 10h20 do dia 8 de maio de 2016)

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)