O ex-orientador de doutoramento do ministro da Educação, Tiago Brandão Rodrigues, acusa-o de se ter apropriado ilegalmente de quase 18 mil euros que lhe foram atribuídos pela Fundação para a Ciência e Tecnologia (FCT).

A informação é avançada esta quarta-feira pela Sábado, que faz eco das acusações de Rui Carvalho, ex-orientador de doutoramento do agora ministro na Universidade de Coimbra. Na entrevista à revista — que vai ser publicada na íntegra esta quinta-feira –, Rui Carvalho é perentório: “Tiago Brandão Rodrigues cometeu um crime”.

O caso remonta a 2001. Nessa época, Tiago Brandão Rodrigues pediu uma bolsa para pagar as propinas na Universidade do Texas (no Southwestern Medical Center). O objetivo era fazer um estágio no âmbito do seu projeto de doutoramento. Acontece que, e ainda de acordo com Rui Carvalho, a Universidade do Texas não cobrava propinas aos alunos que se encontravam no mesmo regime que Tiago Brandão Rodrigues.

Orientador e orientando acabariam por entrar em rutura. O professor queria desvincular-se da orientação do doutoramento e foi assim que descobriu a alegada fraude: “Assim que dei o nome do candidato à senhora do departamento de bolsas, nem precisei de lhe dar a referência da bolsa. A senhora disse-me: ‘Ó senhor doutor, é uma grande coincidência estar a ligar-me porque nos últimos seis meses andamos a tentar contactar esse aluno para lhe pedir o recibo do pagamento de propinas em Dallas e não conseguimos’”, conta Rui Carvalho à Sábado.

Na posse desta informação, Rui Carvalho terá entrado em contacto com Tiago Brandão Rodrigues para que este devolvesse imediatamente os cerca de 18 mil euros que recebera da FCT — o que acabaria por acontecer um ano depois, em setembro de 2002, por iniciativa do próprio Tiago Brandão Rodrigues.

A documentação a que a Sábado teve acesso parece confirmar uma falha do ministro: uma carta enviada pela FCT a Tiago Brandão Rodrigues, onde se explica detalhadamente as quantias que o aluno recebeu “indevidamente” e, ainda, a cópia do cheque emitido pelo agora ministro a saldar as dívidas.

Confrontado com o caso pela Sábado, Tiago Brandão Rodrigues reagiu contra o antigo orientador: “[Rui Carvalho] faz acusações cegas e ofensivas”. O ministro da Educação garantiu à Sábado que foi ele quem tomou pessoalmente a iniciativa de restituir a FCT, antes ainda de o professor ter apresentado formalmente queixa à Fundação.