A Guardia Civil fez buscas na sede do banco Santander, em Espanha, esta sexta-feira de manhã. De acordo com os jornais espanhóis, as buscas estão relacionadas com suspeitas de branqueamento de capitais ligadas ao banco HSBC, que esteve envolvido no escândalo financeiro SwissLeaks no ano passado.

As atividades do HSBC na Suíça estão a ser investigadas em Espanha há alguns meses, desde que se conheceu uma lista de 659 espanhóis com contas naquele banco. Um dos nomes que surgiu na lista de Falciani foi o de Emilio Botín, presidente do Santander durante quase vinte anos.

A ação da Guarda Civil aconteceu em virtude de um requerimento da Procuradoria Anticorrupção sob a investigação dirigida pelo juiz de instrução número cinco da Audiência Nacional, José de la Mata. Fontes jurídicas acrescentaram que o pedido se refere a algumas das contas correntes das quais o juíz De la Mata tinha pedido informação nas suas pesquisas sobre a lista de Falciani que se encontra em segredo de justiça.

Depois de Hervé Falciani — antigo técnico informático do HSBC — ter revelado 130 mil nomes, donos de 30 mil contas daquele banco, que estão alegadamente ligados a um enorme esquema de evasão fiscal, as autoridades de vários países europeus procuram saber se de facto houve ilícitos criminais nessas operações financeiras.

Até agora, apenas Falciani foi condenado a uma pena de prisão.