Rádio Observador

Estados Unidos da América

“Fica connosco.” As histórias de quem estava dentro do bar de Orlando

177

Começam a surgir na imprensa internacional os testemunhos de quem sobreviveu a um dos piores tiroteios em massa nos EUA. Há relatos de corpos no chão e de muita entreajuda.

UNIVISION FLORIDA CENTRAL / HANDOUT/EPA

Os Estados Unidos da América e o mundo acordaram num sobressalto na madrugada de domingo, 12 de junho. Um homem armado fez 50 vítimas mortais num bar gay em Orlando e deixou outras 53 pessoas feridas. Apesar de ainda haver informação por apurar, a imprensa internacional vai divulgando, pouco a pouco, as histórias de quem sobreviveu àquele que já é considerado um dos piores tiroteios em massa em solo norte-americano.

Exemplo disso é o que conta a BBC, que ouviu a história de uma mulher que recebeu uma mensagem escrita da filha, no Pulse Club, em Orlando, e que só assim ficou a saber que ela tinha sido baleada num braço. A publicação não refere o nome da mãe, mas na página de Facebook do bar há mais mães que procuraram os filhos.

Libia Carmen é uma delas. Num post publicado na página da discoteca chegou a pedir para que rezassem pela filha: “Ela está à espera que a polícia chegue ao local. Estive ao telefone com ela e só conseguia ouvir tiros”, escreveu uma hora antes de anunciar que a filha já tinha conseguido sair do bar que na madrugada de domingo foi alvo do tiroteio.

Muito obrigada por terem rezado pela minha filha e por mim. A minha vida está de volta. Obrigada Deus, por teres ouvido as nossas orações”, escreveu num comentário a uma publicação do Pulse Club.

Enquanto a filha de Libia ligava à mãe, outros jovens utilizavam os smartphones para explicar o que estavam a viver dentro do Pulse Club. “Nunca vi tantos corpos no chão”, escreveu Juan Rivera no Twitter. O utilizador com o nome GoEmilio acrescentava que era preciso avisar a polícia de que estavam escondidos no camarote.

Christopher Hansen, que também estava na discoteca LGBTI de Orlando, dizia que estavam “corpos por todo o lado” e que no parque de estacionamento as autoridades estavam a identificar as vítimas com cores — vermelho ou amarelo — para “saberem quem deveriam socorrer primeiro”. “Calças para baixo, camisolas fora, tinham de encontrar as balas. Havia sangue por todo o lado”, escreveu.

Ricardo Negron Almodovar também estava na discoteca. Contou à BBC News que quando ouviu os tiros se atirou para o chão, sem conseguir ver o atacante. “A dada altura, houve uma breve pausa e levantámo-nos para caminharmos em direção a um pátio. Encontrámos uma saída e depois disso… corremos”, contou.

Anthony Torres fez vários vídeos com o que se estava a passar no Pulse Club e foi publicando nas redes sociais. Ao New York Daily News disse que estava a sair do bar quando começou a ouvir os tiros. “Estava toda a gente a correr e a gritar”, afirmou.

Relatos semelhantes são aqueles a que a revista People teve acesso. “Tantas pessoas ficaram feridas”, lamentou Antonio, de 29 anos, que não deu o apelido à publicação. “Eu e os meus amigos estávamos no parque de estacionamento. Estávamos de saída. Ouvimos um barulho que pensei ser o som de música no interior. E as pessoas começaram a correr porta fora.”

A mesma testemunha dá conta de que, no exterior do clube, as pessoas apressaram-se a ajudar-se umas às outras. É o caso do homem que pediu ajuda — “Acho que fui atingido” –, ao mesmo tempo que pessoas acudiam na sua direção de forma a tentar parar a hemorragia com as suas próprias roupas. Antonio conta ainda que viu um homem deitado no chão, com duas mulheres ajoelhadas junto dele a dizerem-lhe “Fica connosco. Fica connosco”.

Carmen Pena, 30, estava no interior do clube, na mesma divisão que o atirador, quando este começou a disparar. “Eu sabia que ele estava naquela divisão porque ouvi uma mulher a gritar e, de repente, ela parou”, contou Pena à People, recordando os sonoros disparos. “A todo o momento pensei que ia ser atingida.”

A jovem mulher relatou ainda que, assim que ouviu um disparo, baixou-se à procura de proteção. “Havia tantas pessoas a correr à minha volta e eu estava a tentar alcançar a porta das traseiras. Eu sabia que o atirador estava atrás de mim, mas estava com medo de me virar. Estava a rezar a todos os santos por proteção.”

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: apimentel@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)