A campanha pelo Sair no referendo do Brexit, apoiada pelo UKIP de Nigel Farage contratou o hipnotizador Paul McKenna para analisar os seus vídeos promocionais, conta o Guardian. McKenna é autor de livros de autoajuda e tem também um livro e vários vídeos sobre o poder da hipnose para perder peso.

Fontes ligadas à campanha justificam a contratação dizendo que o hipnotizador “compreende a psicologia da mente” e ajudou a “produzir anúncios que ressoaram junto das pessoas”.

Arron Banks, um dos principais financiadores da campanha, doou 5,6 milhões de libras (6,67 milhões de euros) à campanha. Alguns desses milhões terão sido usados por McKenna, que é amigo de Banks, para construir uma forte presença online, particularmente nas redes sociais. O hipnotizador conseguiu angariar um milhão de seguidores partilhando vídeos dramáticos que apoiavam o Brexit.

Banks acredita que a estratégia utilizada nas redes sociais foi fundamental para atrair votos.

Um dos vídeos mais populares tem apenas 30 segundos, mas conseguiu atingir 1,6 milhões de visualizações usando frases como: “Está preocupado com a quantidade de crimes cometidos por criminosos estrangeiros no Reino Unido?” e “Está preocupado com a sobrepopulação do Reino Unido e o fardo que isso representa para o Serviço Nacional de Saúde”. Terminava com a frase “Não está na altura de reaver o controlo?”.

Fonte da campanha garante que não hipnotizaram ninguém, mas McKenna acredita que o efeito que a televisão pode ter num espectador é altamente hipnotizante.

Banks já admitiu que o sucesso da campanha do Sair deve-se ao facto de ter apelado às emoções, ao contrário da campanha pelo Ficar, que se focou muito em factos. Chegou mesmo a comparar a estratégia adotada com a da campanha de Donald Trump.

Há quem acredite que o candidato republicano também utiliza técnicas de hipnose, nomeadamente a repetição de ideias simples. A campanha do UKIP serviu-se desse modelo, repetindo o lema “Take back control” (reaver o controlo).