Apontada como um dos fabricantes mais afectados pelo problema dos airbags defeituosos, produzidos pela empresa japonesa Takata, a Honda acaba de adicionar mais 202.089 veículos ao cada vez maior número de automóveis, das mais variadas marcas, com este problema técnico.

Depois de já ter reportado a existência deste problema em automóveis seus, em 2013 e 2014, a filial australiana da Honda vem agora juntar mais uns milhares aos mais de 53 milhões de veículos afectados por esta deficiência.

Recorde-se que a Takata é um dos maiores fornecedores da indústria automóvel, produzindo sobretudo airbags e cintos de segurança, e detendo uma fatia próxima dos 20% de um mercado que, mundialmente, representa cerca de 74 milhões de veículos por ano (dados referentes a 2015). E são os airbags defeituosos fornecidos pela Takata a muitos dos principais fabricantes automóveis que estão na origem daquele que é considerado o maior “recall” alguma vez feito na indústria automóvel.

Na base do problema técnico está o mau funcionamento de um sistema que, em caso de acidente, faz inflar o airbag para impedir que, por exemplo, o condutor bata com a cabeça no volante. É este “disparar” do airbag – na realidade não é uma explosão, mas sim uma combustão extremamente rápida, que origina o enchimento do saco de ar em milissegundos – que funciona incorrectamente em alguns casos – infelizmente muitos -, podendo levar à projecção de fragmentos metálicos contra os passageiros. E não é a primeira vez que a Takata está envolvida em polémicos “recalls”, já que foi igualmente a empresa japonesa que, em 1995, se viu forçada a chamar para reparação quase 8,5 milhões de veículos nos EUA, predominantemente japoneses. A CNN produziu um vídeo curto, mas que explica a dimensão do problema e quais as marcas que estão envolvidas, enauanto clientes da Takata. Mas é bom ter presente que, um airbag a funcionar normalmente, salva vidas. Ora veja o vídeo para perceber como é importante:

[jwplatform Uf6I1m0w]