O presidente da França, François Hollande, condenou, esta sexta-feira, o ataque em Nice, que resultou na morte de dezenas de pessoas. Numa declaração à imprensa, o presidente disse que o ataque tem “caráter terrorista” e que vai fazer o possível “para combater o terrorismo”. “A França é forte, França será sempre mais forte”, garantiu.

Hollande contrariou os números que têm sido divulgados pelos meios de comunicação franceses sobre o número de vítimas, ao confirmar, até o momento, 77 mortos, incluindo crianças, e 20 feridos em estado crítico. “Utilizaremos todos os meios para ajudar as vítimas do ataque”, assegurou. O líder do país confirmou ainda que o condutor do camião utilizado no ataque foi baleado e que ainda não se sabe se há cúmplices no incidente.

O presidente assegurou que a legislação do país “tem sido significativamente reforçada” para melhorar o “nível de proteção” e anunciou algumas medidas para reforçar a segurança interna:

  • Envio ao Congresso de proposta para estender por mais três meses o estado de emergência, que seria levantado depois do fim da Volta à França em, bicicleta, no dia 26 de julho;
  • Manutenção da Operação Sentinela, que incluiu a mobilização de milhares de soldados para proteger locais considerados sensíveis a ataques;
  • Convocação de “reservas operacionais” para ajudar a apoiar as operações policiais em curso;
  • Aumento no controlo das fronteiras do país;
  • Reforço das ações militares do país na Síria e Iraque;
  • Realização de uma reunião de emergência extraordinária do Conselho de Segurança e de um encontro com as autoridades de Nice para discutir novas medidas de proteção ao território;

“A França como um todo está sob a ameaça do terrorismo islâmico. Nestas circunstâncias, temos de demonstrar vigilância absoluta e mostrar uma determinação infalível”, defendeu.