Rádio Observador

Acesso ao Ensino Superior

Cursos superiores com taxa de desemprego de 0%? Sim, existem 25

1.362

Se dás importância à empregabilidade, vais gostar de ler este artigo. Sabias que há 25 cursos que vão abrir vagas este ano e que em dezembro de 2015 registavam uma taxa de desemprego de 0%?

Os seis cursos de Medicina, naturalmente, surgem nesta lista

Andreia Reisinho Costa

Autor
  • Marlene Carriço

Muito por força da crise que o País tem atravessado nos últimos anos, cada vez mais os jovens e os pais, ou pela ordem inversa, se preocupam com as saídas que os diferentes cursos apresentam em termos de empregabilidade. E se é o teu (ou o seu) caso, fica a saber que, no próximo ano letivo, vão ser postas a concurso 1.884 vagas, distribuídas por 25 cursos que em dezembro de 2015 registavam 0% de desemprego. É isso mesmo: zero.

Da Medicina, como não poderia deixar de ser, à Informática, passando pela Matemática e por alguns cursos ligados às ciências, mas também, por exemplo, Línguas, Literaturas e Culturas, na Universidade do Algarve, são 25 os cursos que constam deste ranking, com as instituições universitárias a dominarem.

É certo que correspondem apenas a 2,4% do total de 1.060 cursos que vão abrir vagas a partir desta quinta-feira, mas a verdade é que há muitos outros com taxas de desemprego muito baixas, como é possível confirmar consultando o Portal Infocursos e cruzando essa informação com a que agora a Direção Geral do Ensino Superior disponibiliza, relativa às vagas que vão abrir no próximo concurso.

Curiosamente, um desses cursos com taxa de desemprego de 0% até pede uma média de entrada abaixo de 10 valores (97,7). Em causa está o curso de Informática na Escola Superior de Gestão e Tecnologia de Santarém, que abrirá 45 vagas no próximo ano.

Há umas semanas, o Observador já tinha publicado um artigo sobre os cursos com mais e menos desemprego, e naquela altura apontou para 37 cursos com desemprego zero. Acontece que lá foram tidos em conta também cursos ministrados no ensino privado e cursos que estiveram a funcionar no presente ano letivo. Este artigo reflete as vagas disponíveis para 2016/17 e contempla apenas os cursos em instituições de ensino públicas.

É importante, porém, frisar que este tipo de dados sobre o desemprego podem não corresponder completamente à realidade, pois baseiam-se em inscritos em centros de emprego e um aluno recém-licenciado pode estar no desemprego e não se ter inscrito num centro de emprego, ou estar a trabalhar noutra área que não a do curso que tirou. Além do mais, o desemprego que se regista no momento pode mudar nos próximos anos e quando o aluno sair para o mercado pode ter outras oportunidades, dentro ou fora de Portugal. Apesar destes constrangimentos, estes são os únicos dados oficiais que existem e que ajudam a ter uma noção das saídas dos vários cursos que vão abrir vagas no próximo ano letivo.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Texto de Marlene Carriço, grafismo de Andreia Reisinho Costa.
Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Ministério da Educação

Um mau serviço à Educação

Carlos Fiolhais
686

Os governantes que na prática fecharam o Colégio da Imaculada Conceição, prestando um mau serviço à educação, desconhecem provavelmente os contributos dos Jesuítas para o ensino, a ciência e a cultura

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)