Rádio Observador

Atentado em Nice

Hollande tenta acalmar polémica sobre segurança em Nice

O Presidente francês, François Hollande, procurou acalmar a polémica em torno de alegações de que o seu Governo tentou alterar um relatório de segurança sobre o massacre em Nice no passado dia 14 de julho.

IAN LANGSDON / POOL/EPA

O Presidente francês, François Hollande, procurou acalmar a polémica em torno de alegações de que o seu Governo tentou alterar um relatório de segurança sobre o massacre em Nice no passado dia 14 de julho.

“É preciso deixar que a Justiça trabalhe com total independência. Não pode haver polémicas ou confrontos”, sublinhou, de acordo com a agência France Press, o chefe de Estado francês durante uma visita ao dispositivo militar antiterrorista Sentinelle, em Vincennes, nos arredores de Paris.

Hollande sublinhou que “a verdade e a transparência são essenciais em democracia”, e prometeu que serão averiguadas as acusações relativas à alegada tentativa de condicionamento do relatório de segurança da polícia local em Nice sobre o massacre que causou a morte de 84 pessoas e mais de 330 feridos, porque “os franceses o pedem e as famílias [das vítimas] o exigem”.

No centro da polémica está o ministro francês do Interior, Bernard Cazeneuve, acusado pela direita política de falhas graves na segurança durante as comemorações do Dia da Bastilha em Nice, que permitiu que um homem ao volante de um camião irrompesse pela avenida marginal da cidade, na altura pejada de pessoas que assistiam ao fogo-de-artifício.

As pressões sobre Cazeneuve intensificaram-se quando uma oficial da polícia local, Sandra Bertin, acusou o seu ministério de assédio numa tentativa de alterar o seu relatório no que dizia respeito ao dispositivo da polícia deslocado para o local na noite do massacre.

O primeiro-ministro francês, Manuel Vals, saiu em defesa do seu colega de Executivo em declarações à televisão francesa, considerando a polémica “puramente política e com o objetivo de destabilizar o Governo”.

É verdade que, “obviamente, precisamos da verdade, mas a polémica devia parar”, afirmou Vals, defendendo Cazeneuve, que considerou um “homem de integridade, um estadista, um grande ministro do Interior”.

Um relatório da polícia nacional sobre o ataque indicou que o autor do massacre, Mohamed Lahouaiej Bouhlel, galgou um passeio para evitar uma barreira da polícia.

Sandra Bertin, no entanto, que era a responsável pela verificação das imagens de vídeo do sistema de videovigilância em Nice, afirmou este domingo que na noite do massacre não se regista a presença da polícia nas imagens de vídeo.

Bertin afirmou ainda ter sido “literalmente assediada todo o tempo” em que escreveu o relatório.

“Pediram-se que alterasse coisas”, afirmou numa conferência de imprensa, acrescentando que lhe “pediram para identificar a presença da polícia em locais específicos” que ela “não tinha visto nos vídeos”.

Bertin é apoiante do Partido Republicano, oposição, liderado na região por Christian Estrosi, que tem sido um forte crítico do Governo socialista desde a noite do massacre, noticiou hoje o jornal Le Parisien, citado pela AFP.

Na passada quinta-feira, o diário Liberation noticiou que apenas um carro da polícia estava a barrar a entrada no passeio na marginal em Nice, quando Bouhlel irrompeu com camião pela via pedonal.

A polémica foi ainda reforçada pelo pedido da Procuradoria em Paris na semana passada para que as autoridades locais em Nice apagassem as imagens da noite do ataque do sistema de videovigilância.

As autoridades locais argumentaram que o pedido configurava a “destruição de provas”, mas os procuradores alegaram que possuíam já cópias dos vídeos em causa e que a destruição das imagens era apenas para prevenir a divulgação das imagens “chocantes”.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Terrorismo

Este mundo não é nada como tínhamos imaginado

José Manuel Fernandes
3.657

O multiculturalismo falhou porque ignorou a centralidade dos nossos valores. O laicismo também falhou pois ignorou que a modernidade não é só filha do Iluminismo, é também da tradição do cristianismo.

Atentado em Nice

“Não terão o meu ódio!”

P. Gonçalo Portocarrero de Almada
1.187

Cada cristão pode e deve defender-se, e à sociedade, também pelas armas. O terrorismo não admite tolerância. Mas se Cristo perdoou quem o crucificou, o cristão também está obrigado ao amor e ao perdão

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)