Algas, muito calor e pouco vento, uma mudança da alcalinidade ou falta de químicos para o tratamento microbiológico da água, todas estas justificações para a alteração da cor da piscina foram avançadas pela organização. Ao que parece, foi uma combinação de vários fatores. Terá sido de facto a presença de algas, que proliferaram rapidamente devido ao calor intenso e à ausência de vento e que não foram combatidas com a quantidade adequada de cloro.

A mudança foi abrupta, aconteceu de um dia para o outro. Na segunda-feira, a piscina de saltos era azul e a água límpida. Na terça-feira já tinha uma cor esverdeada. Ao terceiro dia, quarta-feira, já a piscina vizinha — a do polo aquático — tinha ganhado também um tom esverdeado.

Agora, avança a CNN, a piscina dos saltos vai estar encerrada. A razão apontada é que a água não pode ser agitada para que possa retomar a sua cor original. Por enquanto, os atletas vão ter que treinar em terra, recorrendo a trampolins, mas brevemente devem poder voltar aos treinos aquáticos.

A organização mantém que a qualidade da água foi testada e que os atletas não corre qualquer tipo de risco.