A última vez que um combustível fóssil foi usado para fornecer energia à Costa Rica foi a 16 de junho de 2016. Desde então já passaram 76 dias e toda a energia consumida no país é proveniente de meios renováveis.

O país da América Central conseguiu estar em funcionamento mais de dois meses consecutivos sem recorrer a combustíveis fósseis, sendo que este ano já esteve 150 dias a funcionar só com energias renováveis.

O país tem sido alimentado por energia hidráulica, geotérmica, solar e eólica. A energia hídrica foi responsável por produzir 80,27% de toda a energia usada no país durante o mês de agosto. Em julho, 59,1% da energia tinha sido produzida por turbinas de vento.

As centrais geotérmicas contribuíram com cerca de 12,62%, as turbinas de vento com 7,1% e a energia solar com 0,01%.

Em 2015, a Costa Rica passou 299 dias sem queimar petróleo, carvão ou gás natural, depois de um grande investimento por parte do Governo.

Será a energia renovável viável para todos os países?

Embora este feito prove que é possível depender só de energias renováveis em alguns países, isso não quer dizer que seja uma solução global. Pelo menos, não para já.

A Costa Rica tem cerca de 51.000 km2 (Portugal tem aproximadamente 92.000 km2) e é um país relativamente pequeno, com uma população de cerca de 4,9 milhões de pessoas, não necessitando de tanta energia como um país maior e mais populoso. É também um país com recursos naturais favoráveis, como grandes períodos de chuva e uma temperatura de solo bastante alta devido à atividade vulcânica.

Para os bons resultados conseguidos contribui ainda o facto de a Costa Risca ter como principais indústrias o turismo e a agricultura, duas atividades que não necessitam de tanta energia.

Ainda este ano vai ser terminada uma central geotérmica que terá a capacidade de gerar 305,5 megawatts, o suficiente para alimentar 525.000 casas, afirma o Mashable.