Rádio Observador

IPO

IPO de Lisboa lança agenda para 2017 e receitas das vendas revertem para a pediatria

4.978

Agenda solidária vai estar à venda a partir do dia 9 e receitas revertem para a pediatria do IPO de Lisboa. Nela poderá encontrar testemunhos do Presidente da República e outras 11 figuras públicas.

O montante angariado destina-se à aquisição de alguns equipamentos e à melhoria e remodelação das instalações

Autor
  • Marlene Carriço

O Instituto Português de Oncologia de Lisboa, em conjunto com a Livros Horizonte, elaborou uma agenda para 2017, cujas vendas vão reverter integralmente para o Serviço de Pediatria. Com ilustrações de João Vaz de Carvalho, a IPO Agenda Solidária 2017 estará à venda a partir de quarta-feira, dia 9.

O montante angariado destina-se à aquisição de alguns equipamentos que permitam melhorar a qualidade de vida dos doentes e à melhoria e remodelação das instalações do Serviço de Pediatria”, explicou ao Observador, fonte oficial do IPO de Lisboa. Desses equipamentos pode-se destacar, por exemplo, um visualizador de veias que evita que as crianças com veias ocultas sejam picadas em vários sítios.

Esta agenda, que será apresentada oficialmente pelo Presidente da República a 23 de novembro, conta com a colaboração de 12 figuras públicas portuguesas que se disponibilizaram a contar as memórias mais marcantes das suas vidas: Marcelo Rebelo de Sousa, Catarina Furtado, Nuno Markl, Afonso Cruz, Clara de Sousa, Margarida Pinto Correia, Boss AC, Victoria Guerra, Marisa Matias, Sobrinho Simões, Elvira Fortunato e Sandra Correia.

O Presidente da República foi o primeiro a enviar o testemunho. Marcelo Rebelo de Sousa recuou 61 anos para contar o episódio que mais o marcou até hoje. Tinha seis anos e foi duas vezes ao bairro de lata lisboeta Casal Ventoso, com a mãe, que era assistente social e acompanhava crianças portadoras de deficiência. “No Casal Ventoso, em ambiente de pobreza brutal, a situação daquelas crianças era dramática. Lembro-me bem do que me impressionaram as crianças, as barracas, a falta de água e de esgotos.”

Já Sobrinho Simões recorda a morte da empregada e governanta Brígida. Tudo aconteceu na casa da família do investigador que lembra como ficou impressionado com “a solenidade do processo que envolveu avós, tios e pessoal”. Sobrinho Simões aproveita a memória para sublinhar como com o passar dos anos se assistiu a uma “desqualificação da morte, que se tornou distante, hospitalar, desligada da família e dos amigos”.

A eurodeputada Marisa Matias sinaliza o dia em que, com três anos, viu chegar os pais, vindos da maternidade, com o irmão ao colo. “Não me lembro de nada do que se passou a seguir. A minha primeira memória é de uma chegada. De um encontro. Um encontro para a vida. O dia em que chegou o meu irmão. O meu menino. Até hoje.”

E Catarina Furtado destaca uma memória triste: quando assistiu, na Guiné-Bissau, ao trabalho de parto de uma mulher que acabou por não resistir, por falta de condições.

Pediatria do IPO tem contado com vários donativos

Não é a primeira vez que a instituição beneficia de donativos. Segundo o gabinete de comunicação do IPO, há um ano o hospital desenvolveu uma parceria com o Santander Totta, que resultou num donativo de 30 mil euros para ajudar a ampliação e requalificação do Hospital de Dia do Serviço de Pediatria. A verba foi alcançada graças a “uma ação de Natal interna do Banco, que convidou todos os colaboradores a apoiar esta causa através da compra de um kit de 12 etiquetas autocolantes, feitas com desenhos de crianças tratadas no Serviço de Pediatria”.

Ainda segundo a mesma fonte, também no final do ano passado, a bloger Pipoca mais Doce doou 51.700 euros, a fatia mais significativa do conjunto de donativos recebidos pelo hospital e que permitiu pagar as obras efetuadas já este ano no Hospital de Dia Pediátrico, num total de 100 mil euros.

O IPO é de facto um hospital diferente. O IPO é muito acarinhado pelos seus doentes, familiares e cidadãos anónimos, dos quais recebemos regularmente donativos de pequeno montante”, remata o gabinete de comunicação do hospital.

O serviço de pediatria do IPO, criado em 1960 por António Gentil Martins, é o maior e mais antigo do país e é o Centro de Referência Nacional. Por ser o único centro oncológico pediátrico da zona sul do país, o IPO de Lisboa recebe crianças não só de Lisboa e Vale do Tejo, mas também do Ribatejo, Alentejo, Algarve, Açores, Madeira e PALOP. Todos os anos chegam ao serviço cerca de 190 casos de cancro pediátrico e são tratadas 400 crianças.

Atualmente, um em cada 600 adultos jovens teve cancro infantil. A taxa de cura ronda os 80%.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Serviço Nacional de Saúde

Na defesa do IPO de Lisboa

Fernando Leal da Costa
550

O IPO de Lisboa, os seus doentes e quem deles cuida, precisam de quem os defenda. Há urgência em contratar pessoal para que se resolver a lista de espera e, sobretudo, que se construa o novo edifício.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)