Rádio Observador

Deficiência

Governo compromete-se a “fazer tudo” para que língua gestual seja acessível a todos

515

A secretária de Estado da Inclusão das Pessoas com Deficiência reforçou o compromisso do Governo de "continuar a fazer tudo" para que a Língua Gestual Portuguesa seja "efetivamente promovida"

Ana Sofia Antunes faz referência aos "passos seguros" que já foram dados nesse sentido, como a criação dos Balcões da Inclusão e o atendimento de emergência para pessoas surdas

MÁRIO CRUZ/LUSA

A secretária de Estado da Inclusão das Pessoas com Deficiência reforçou esta terça-feira, numa mensagem, o compromisso do Governo de “continuar a fazer tudo” para que a Língua Gestual Portuguesa seja “efetivamente promovida” e acessível a todas as pessoas surdas.

Na mensagem de vídeo divulgada e alusiva ao Dia Nacional da Língua Gestual Portuguesa, Ana Sofia Antunes lembra que faz hoje 19 anos que a LGP foi reconhecida como língua oficial de Portugal, sendo a terceira língua a obter este estatuto no país, depois do português e do mirandês.

Para Ana Sofia Antunes, foi “um passo fundamental” porque veio reconhecer de certa forma “o legítimo direito, a legítima expectativa das pessoas surdas em Portugal, ao ver a sua língua representada nos mais diversos aspetos da sua vida no dia-a-dia”.

“Hoje queria apenas reforçar o nosso compromisso enquanto XXI Governo Constitucional para com a comunidade surda de continuarmos a fazer tudo para que a língua gestual portuguesa seja efetivamente promovida e que todas as pessoas possam ter acesso a ela”, afirma a governante na mensagem divulgada no ‘twitter’ do ministério do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social e no ‘youtube’ da República Portuguesa.

Na mensagem, Ana Sofia Antunes faz referência aos “passos seguros” que já foram dados nesse sentido, como a criação dos Balcões da Inclusão e o atendimento de emergência para pessoas surdas. Nos Balcões de Inclusão, criados ao longo deste ano, “todas as pessoas surdas podem ser atendidas com direito a intérprete de língua gestual portuguesa, por enquanto ainda com marcação, mas em breve sem marcação”, salientou.

Por outro lado, adianta Ana Sofia Antunes, estão a ser finalizados os trabalhos relativos à aplicação 112 Atendimento de Emergência para pessoas surda, “um direito fundamental de qualquer ser humano, de qualquer cidadão, e com a qual a comunidade surda poderá contar muito em breve”.

A finalizar a mensagem, a secretária de Estado deixa “uma palavra de estímulo e um agradecimento” à comunidade surda por tudo o que tem feito em nome da promoção da língua gestual.

“Deixo-vos o nosso compromisso de estarmos convosco e estarmos a fazer tudo para que a língua gestual portuguesa seja cada vez mais uma das nossas línguas oficiais em Portugal”, diz, rematando: “Feliz Dia da Língua Gestual Portuguesa”.

A Presidência da República também assinala a data, lançando uma nova funcionalidade no seu ‘site’, que passará a apresentar em língua gestual “alguns dos mais importantes discursos presidenciais”.

Na cerimónia de apresentação da nova funcionalidade estará presente o ministro do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, Vieira da Silva, e a Associação Portuguesa de Surdos.

Durante a cerimónia, terá lugar um espetáculo, em que o fado de Amália “Com que voz” será traduzido para língua gestual.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Deficientes

Adorável compromisso de lideranças /premium

Laurinda Alves
355

24 homens e mulheres que gerem 24 das maiores empresas que operam em Portugal assinaram um documento em que se comprometem a reforçar nas suas organizações a empregabilidade de pessoas com deficiência

Deficientes

O Sol, quando nasce, é para todos! /premium

Laurinda Alves
526

Ir à praia e apanhar sol é, para pessoas portadoras de deficiência e/ou com mobilidade reduzida, fonte de bem-estar e saúde. É mesmo uma necessidade básica de saúde dos cidadãos, mediterrânicos ou não

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)