O trânsito já foi reaberto na Avenida Fontes Pereira de Melo em Lisboa, uma vez que objeto suspeito não representava qualquer perigo para a segurança: era apenas uma encomenda, que chegou por correio, com brinquedos de criança. Chega assim ao fim a ameaça de bomba que levou à evacuação do edifício da Conservatória na Avenida Fontes Pereira de Melo em Lisboa e ao corte da circulação na avenida.

O comissário da PSP, Sérgio Soares, em declarações à comunicação social, afirmou que, depois de feita a avaliação do objeto, a equipa de Inativação de Explosivos da Unidade Especial de Polícia “concluiu que não se tratava de objeto com qualquer produto explosivo”.

A ameaça não se confirmou, vamos reabrir o trânsito”, afirmou o comissário da PSP.

O edifício da Conservatória do Registo Civil, na avenida Fontes Pereira de Melo, em Lisboa, foi evacuado esta quinta-feira à tarde devido a um pacote suspeito.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

O alerta foi dado por volta das 14h00 depois de uma chamada anónima para o 112. O Observador apurou que se tratava de uma caixa de cartão de pequenas dimensões. Os funcionários não se terão apercebido de nada. Aliás, no interior dos serviços da conservatória estava, no momento, um casal a celebrar o seu casamento que viu o momento ser interrompido devido ao aparato policial.

Ao Observador, o comissário Sérgio Soares explicou que a parte térrea do edifício foi totalmente evacuada, nomeadamente, a Conservatória, todas as lojas, o banco e uma farmácia. O restante edifício ainda não foi evacuado.

Ao local deslocou-se uma equipa de inativação de explosivos da Unidade Especial de Polícia da PSP para avaliar a situação. Estes agentes especializados utilizaram um aparelho de raio-x para tentar perceber se o pacote suspeito continha alguma matéria perigosa, de modo a proceder-se à sua remoção em segurança.

O autor da chamada para o 112 não foi identificado. A situação constitui um ato ilícito, pelo que vai ser alvo de um auto de notícia por parte da PSP. Esta notificação será enviada para o Ministério Público que procederá à investigação.

Naquele prédio, além da conservatória, do banco, e da farmácia, há a Comissão de Proteção e Apoio às Vítimas, a Comissão de Liberdade Religiosa e ainda o Centro de Informação, Mediação, Provedoria e Arbitragem de Seguros.

O trânsito foi cortado, nos dois sentidos, e o perímetro de segurança foi já alargado até à rotunda do Marquês de Pombal por “questões de segurança”.