268kWh poupados com o Logótipo da MEO Energia Logótipo da MEO Energia
i

A opção Dark Mode permite-lhe poupar até 30% de bateria.

Reduza a sua pegada ecológica. Saiba mais

Logótipo da MEO Energia

Poupe na sua eletricidade com o MEO Energia. Simule aqui.

Filme que previa o nazismo esteve perdido 90 anos. Agora foi recuperado

Este artigo tem mais de 4 anos

Um filme austríaco que previa o aparecimento do nazismo esteve perdido durante 90 anos. Agora, foi encontrado e está a ser restaurado para estrear novamente, em Viena.

i

Frame do filme "A Cidade sem Judeus", de 1924

Filmarchiv Austria

Frame do filme "A Cidade sem Judeus", de 1924

Filmarchiv Austria

O arquivo de cinema austríaco está a restaurar um filme de 1924 sobre o antissemitismo, que esteve perdido durante 90 anos e que foi encontrado num mercado de rua em Paris. Die Stadt ohne Juden (“A Cidade sem Judeus”) é baseado num romance do escritor judeu Hugo Bettauer, uma distopia que previa o aparecimento do nazismo (que se viria a confirmar poucos anos depois), e estreou em Viena em julho de 1924. A fita acabou por se perder durante a guerra, mas foi agora reencontrada e, através de uma campanha de crowdfunding, o arquivo de cinema da Áustria vai tornar a estrear o filme, em 2017.

A instituição recebeu um donativo significativo de uma fundação judaica depois da eleição de Donald Trump como presidente dos EUA, e está a receber o dobro dos donativos diariamente depois de Norbert Hofer, o candidato de extrema-direita às presidenciais austríacas, ter perdido para o ecologista Alexander Van der Bellen, escreve o The Guardian.

No filme é descrita a sociedade austríaca dos anos 20, incluindo a ascensão do antissemitismo e da extrema-direita. “Na altura em que o filme foi feito, tínhamos uma situação muito semelhante à que temos atualmente. No final da I Guerra Mundial muita gente ficou desalojada por causa do avanço das forças russas no norte do império, e deslocaram-se para o sul, para Viena”, explicou ao jornal britânico o diretor das coleções do arquivo austríaco, Nikolaus Wostry. “Os sentimentos antissemitas cresceram muito durante esta crise de refugiados, e todos os partidos começaram a fazer política com eles”, acrescenta.

O autor do livro que deu origem ao filme acabou por ser assassinado depois da estreia de “A Cidade sem Judeus”, pelo partido nazi, na altura banido. Além disso, segundo o The Guardian, o ator Hans Moser, que representou o papel de uma das mais importantes figuras antissemitas no filme, mais tarde recusou divorciar-se da sua mulher judia, sendo obrigado a emigrar para conseguir escapar com vida.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Recomendamos

A página está a demorar muito tempo.