503kWh poupados com o Logótipo da MEO Energia Logótipo da MEO Energia
i

A opção Dark Mode permite-lhe poupar até 30% de bateria.

Reduza a sua pegada ecológica.
Saiba mais

Logótipo da MEO Energia

Adere à Fibra do MEO com a máxima velocidade desde 29.99/mês aqui.

Filme que previa o nazismo esteve perdido 90 anos. Agora foi recuperado

Este artigo tem mais de 5 anos

Um filme austríaco que previa o aparecimento do nazismo esteve perdido durante 90 anos. Agora, foi encontrado e está a ser restaurado para estrear novamente, em Viena.

Frame do filme "A Cidade sem Judeus", de 1924
i

Frame do filme "A Cidade sem Judeus", de 1924

Filmarchiv Austria

Frame do filme "A Cidade sem Judeus", de 1924

Filmarchiv Austria

O arquivo de cinema austríaco está a restaurar um filme de 1924 sobre o antissemitismo, que esteve perdido durante 90 anos e que foi encontrado num mercado de rua em Paris. Die Stadt ohne Juden (“A Cidade sem Judeus”) é baseado num romance do escritor judeu Hugo Bettauer, uma distopia que previa o aparecimento do nazismo (que se viria a confirmar poucos anos depois), e estreou em Viena em julho de 1924. A fita acabou por se perder durante a guerra, mas foi agora reencontrada e, através de uma campanha de crowdfunding, o arquivo de cinema da Áustria vai tornar a estrear o filme, em 2017.

A instituição recebeu um donativo significativo de uma fundação judaica depois da eleição de Donald Trump como presidente dos EUA, e está a receber o dobro dos donativos diariamente depois de Norbert Hofer, o candidato de extrema-direita às presidenciais austríacas, ter perdido para o ecologista Alexander Van der Bellen, escreve o The Guardian.

No filme é descrita a sociedade austríaca dos anos 20, incluindo a ascensão do antissemitismo e da extrema-direita. “Na altura em que o filme foi feito, tínhamos uma situação muito semelhante à que temos atualmente. No final da I Guerra Mundial muita gente ficou desalojada por causa do avanço das forças russas no norte do império, e deslocaram-se para o sul, para Viena”, explicou ao jornal britânico o diretor das coleções do arquivo austríaco, Nikolaus Wostry. “Os sentimentos antissemitas cresceram muito durante esta crise de refugiados, e todos os partidos começaram a fazer política com eles”, acrescenta.

O autor do livro que deu origem ao filme acabou por ser assassinado depois da estreia de “A Cidade sem Judeus”, pelo partido nazi, na altura banido. Além disso, segundo o The Guardian, o ator Hans Moser, que representou o papel de uma das mais importantes figuras antissemitas no filme, mais tarde recusou divorciar-se da sua mulher judia, sendo obrigado a emigrar para conseguir escapar com vida.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Ofereça este artigo a um amigo

Enquanto assinante, tem para partilhar este mês.

A enviar artigo...

Artigo oferecido com sucesso

Ainda tem para partilhar este mês.

O seu amigo vai receber, nos próximos minutos, um e-mail com uma ligação para ler este artigo gratuitamente.

Ofereça artigos por mês ao ser assinante do Observador

Partilhe os seus artigos preferidos com os seus amigos.
Quem recebe só precisa de iniciar a sessão na conta Observador e poderá ler o artigo, mesmo que não seja assinante.

Este artigo foi-lhe oferecido pelo nosso assinante . Assine o Observador hoje, e tenha acesso ilimitado a todo o nosso conteúdo. Veja aqui as suas opções.

Atingiu o limite de artigos que pode oferecer

Já ofereceu artigos este mês.
A partir de 1 de poderá oferecer mais artigos aos seus amigos.

Aconteceu um erro

Por favor tente mais tarde.

Atenção

Este artigo só pode ser lido por um utilizador registado com o mesmo endereço de email que recebeu esta oferta.
Para conseguir ler o artigo inicie sessão com o endereço de email correto.