Rádio Observador

Caixa Geral de Depósitos

Campos e Cunha desmente Sócrates: “Se quisesse demitir a administração da CGD era fácil”

246

O ex-ministro das Finanças diz ao Observador que teve quatro meses para demitir a administração da CGD e não o fez: "Mas quando saí, foi demitida no dia seguinte por outra pessoa".

MANUEL DE ALMEIDA/LUSA

O ex-ministro das Finanças Luís Campos e Cunha reagiu, em declarações ao Observador, ao desmentido de José Sócrates emitido esta sexta-feira sobre o seu depoimento na Comissão de Inquérito à Caixa Geral de Depósitos. O professor universitário de Economia, que esta semana denunciou aos deputados pressões do então primeiro-ministro para demitir os administradores da CGD em 2005, também desmente o antigo chefe de Governo: “Por amor de Deus, estive quatro meses no cargo e não demiti a administração da CGD. Mas, quando saí, esta foi demitida no dia seguinte por outra pessoa”.

Nessa época, a CGD era dirigida pelo social-democrata Vítor Martins, que foi substituído por Carlos Santos Ferreira, próximos dos socialistas, e que passou a integrar Armando Vara na administração. Foram nomeados por Teixeira dos Santos, o ministro que sucedeu a Campos e Cunha e que ficou no Ministério das Finanças até ao fim do Governo de José Sócrates.

“Para mim o comunicado foi uma honra”, ironiza Campos e Cunha. “Mas ao contrário do que ele [José Sócrates] afirma, eu disse no depoimento no Parlamento que os outros membros do Governo não tinham nada a ver com esse assunto e nunca foram envolvidos”. No seu comunicado, o ex-primeiro-ministro acusou Campos e Cunha de aproveitar “os quatro meses da sua passagem pelo Governo para atacar os seus antigos colegas” e considerou “tal comportamento desprezível”.

José Sócrates emitiu um comunicado na tarde desta sexta-feira a dizer o seguinte: “Esclareço que nunca fiz qualquer pressão para demitir a administração daquele banco. Esclareço ainda que a vontade de substituir a referida administração sempre me foi manifestada pelo então ministro das Finanças que, ao contrário do que agora é afirmado, na altura considerava que não estava à altura da missão do banco”. E acrescentou: “Hoje sinto que tenho o dever de o desmentir: as suas declarações a propósito da Caixa Geral de Depósitos são falsas e sem nenhuma correspondência com a verdade”.

Aos deputados da comissão de inquérito, Campos e Cunha afirmou esta quinta-feira que a relação com a CGD não teve um período de maturidade suficiente”, porque o então ministro das Finanças, que era independente, esteve “apenas quatro meses no Governo”. E foi então que denunciou:

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)