Rádio Observador

Governo

Almaraz. Portugal recorreu à União Europeia e Bruxelas vai pedir esclarecimentos

223

Reunião do ministro do Ambiente com congénere espanhol não teve o efeito pretendido. Madrid pretende avançar com a construção da central de Almaraz e Portugal recorreu a Bruxelas.

NUNO VEIGA/LUSA

Portugal vai mesmo recorrer à Comissão Europeia para intervir no processo de Almaraz. A queixa seguirá para Bruxelas na próxima segunda-feira. A reunião com as autoridades espanholas realizada esta quinta-feira em Madrid não permitiu que o Governo de Moncloa recuasse na sua intenção de construir um novo espaço de armazenamento na central nuclear junto à fronteira com Portugal.

Ao que o Observador apurou, as autoridades espanholas não se mostraram disponíveis para suspender a construção do Armazém Temporário Individualizado na central nuclear Almaraz enquanto não fosse realizado o estudo de impacto ambiental transfronteiriço — uma medida importante para Portugal tendo em conta a proximidade daquela estrutura com a fronteira portuguesa, cerca de 100 quilómetros.

Foi isso que o ministro deu a entender nas declarações aos jornalistas, ainda antes de a reunião ter terminado. “No que diz respeito à avaliação de impacto transfronteiriço, não estamos de acordo”, disse João Pedro Matos Fernandes. O Governo faz ponto de honra da realização dessa avaliação, que, de resto, decorre da lei comunitária no que a estes projetos diz respeito, mas Espanha tem outra interpretação da legislação e pretende seguir com a construção.

“Fizemos um esforço para chegar a acordo”, uma vez que de um projeto destes podem resultar impactos para Portugal”, sublinhou o ministro do Ambiente em Madrid.

Portugal vai concretizar a queixa contra Espanha junto da Comissão Europeia no início da próxima semana. O Governo português vai solicitar a intervenção” de Bruxelas “na avaliação e na resolução” do diferendo entre os dois países, um episódio de divergência diplomática raro entre os dois países da Península Ibérica. A ameaça já tinha sido feito na semana passada pelo ministro do Ambiente e confirmada pelo ministro dos Negócios Estrangeiros, mas estava em stand by até que o encontro em Madrid se concretizasse.

Ao DN, Bruxelas já lembrou Espanha de que a lei é para cumprir. “Se a queixa for apresentada, a Comissão examinará o assunto e poderá decidir contactar a Espanha a fim de clarificar a situação e chamar a atenção para as obrigações previstas na legislação da UE”, diz a porta-voz do comissário do Ambiente. A Comissão diz-se, no entanto, disponível para ajudar ao diálogo entre os dois países.

Almaraz: Bruxelas admite pedir esclarecimentos a Espanha

A Comissão Europeia admitiu, esta quinta-feira, que poderá contactar as autoridades espanholas para “clarificar a situação” do aterro nuclear na central de Almaraz e “chamar a atenção” para as obrigações previstas na legislação comunitária em matéria de segurança nuclear.

Questionado pela Lusa sobre o anúncio feito esta quinta-feira, sobre o Governo português apresentar queixa em Bruxelas, o porta-voz do Ambiente, Enrico Brivio, referiu que, até ao momento, o executivo comunitário ainda não recebeu uma queixa formal mas, se e quando tal acontecer, “a Comissão irá analisá-la e poderá decidir contactar Espanha para clarificar a situação e chamar a atenção para as obrigações previstas na legislação da União Europeia”.

O porta-voz acrescentou que “a Comissão está a par das preocupações manifestadas pelas autoridades portuguesas” e referiu que, embora os Estados-membros sejam livres de incluir a energia nuclear nos seus cabazes energéticos, “todos têm de aplicar os mais elevados padrões de segurança” na gestão de resíduos.

“A segurança vem sempre em primeiro lugar”, garantiu.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
António Costa

Prioridades à la carte /premium

Alexandre Homem Cristo
386

Capaz de prometer tudo e o seu contrário, este PS de 2019, embriagado pela hipótese de uma maioria absoluta, não é diferente daquele PS de 2009, cuja soberba atirou um país para o abismo.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)