Rádio Observador

Privatização da TAP

Lacerda Machado nega convite para chairman da TAP

O advogado, amigo de António Costa que ajudou o Governo a recuperar 50% da TAP diz que não sabe, nem foi convidado. Jornal Eco avança que o Estado vai indicar Lacerda Machado para chairman da TAP.

HUGO AMARAL/OBSERVADOR

Diogo Lacerda de Machado nega ter sido convidado para chairman (presidente não executivo) da TAP. O jornal Eco noticiou esta sexta-feira que o advogado deverá ser indicado pelo Governo para esse cargo, mas, contactado pelo Observador, Lacerda Machado negou: “Estou em Bissau, não sei nada do que está a falar. Não sei nada disso. Não fui convidado”.

O Ministério do Planeamento e Infraestruturas, que tem a tutela da companhia, também não confirma a indicação e, em resposta ao Observador, refere mesmo que se trata de “uma especulação desinformada”.

Segundo o Jornal Eco, o Governo deverá indicar o advogado, que tem participado em várias negociações com privados em nome do Executivo, para chairman da TAP, nos termos do acordo assinado em maio de 2015 entre o Estado e os acionistas privados da companhia.

Lacerda Machado foi a quem António Costa confiou o processo de “renacionalização” da TAP. O amigo e conselheiro do primeiro-ministro foi o intermediário num processo negocial entre o Governo e o consórcio privado Gateway que redesenhou os termos da privatização da TAP, concretizada pelo Executivo do PSD/CDS em cima das eleições legislativas de 2015. Desde então, Lacerda de Machado participou na negociação de uma solução para os lesados do BES/GES, anunciada no final do ano passado por António Costa. O gabinete do primeiro-ministro acabou por fechar um contrato de prestação de serviços com o advogado e esse contrato foi agora renovado por mais seis meses.

O Estado terá o direito de nomear o presidente não executivo (chairman) da TAP, assim que voltar a ser o maior acionista da companhia, nos termos do memorando assinado no ano passado com os acionistas privados David Neeleman e Humberto Pedrosa. Mas a indicação para este cargo só irá avançar quando for concretizada a operação pela qual o Estado irá recomprar capital que lhe permita ter 50% da TAP. Atualmente tem 39%. Para já, ninguém confirma que o indicado será Lacerda Machado.

Esta operação, cuja realização ainda depende da renegociação da dívida bancária da transportadora, deverá acontecer ao mesmo tempo que a oferta pública de 5% do capital da TAP, reservada aos trabalhadores, o que ainda deverá demorar algum tempo a pôr em marcha.

Lacerda Machado já tinha estado envolvido com a TAP num negócio especialmente polémico que envolveu a compra da VEM, a empresa de manutenção da antiga Varig. A aquisição foi feita em parceria com a Geocapital de Stanley Ho que depois saiu, deixando a transportadora portuguesa a assumir sozinha os prejuízos da empresa brasileira.

Quando foi chamado no ano passado ao Parlamento para explicar o seu envolvimento em negócios do Estado e em negociações em que representa o Governo, Lacerda Machado defendeu ainda as vantagens desta operação.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: rpantunes@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)