Roger Federer

Roger Federer regressa ao ‘top 10’ e Serena Williams ao ‘trono’ feminino

O tenista suíço Roger Federer, que no domingo conquistou o 18.º título num torneio de um 'Grand Slam', no Open da Austrália, regressou esta segunda-feira ao grupo de elite dos dez melhores do mundo.

FILIP SINGER/EPA

O tenista suíço Roger Federer, que no domingo conquistou o 18.º título num torneio de um ‘Grand Slam’, no Open da Austrália, regressou esta segunda-feira ao grupo de elite dos dez melhores do mundo. Na classificação feminina, Serena Williams voltou para o primeiro posto, ‘resgatado’ à alemã Angelique Kerber, graças ao triunfo da norte-americana no Open da Austrália.

O número um português, João Sousa, eliminado logo na primeira ronda em Melbourne, ‘caiu’ quatro lugares, surgindo esta segunda-feira na 41.ª posição, enquanto Gastão Elias, que também foi afastado na eliminatória inaugural do Open da Austrália, ganhou uma posição e é agora o 76.º do mundo.

Federer, que esteve parado na segunda metade de 2016 devido a duas intervenções cirúrgicas, entrou no ‘major’ australiano como 17.º da classificação mundial, mas a vitória em Melbourne permitiu-lhe subir sete posições e fixar-se no décimo lugar da hierarquia. O espanhol Rafael Nadal, derrotado por Federer na final de domingo, também se ‘valorizou’ com a prestação em Melbourne e subiu ao sexto lugar da classificação do circuito, o que representou a ‘escalada’ de três lugares.

O topo da tabela não sofreu alterações. A classificação continua a ser liderada pelo britânico Andy Murray, que na Austrália não foi além dos oitavos de final. Pior que Murray fez o sérvio Novak Djokovic, que continua a perseguir o britânico, na segunda posição, apesar de ter perdido logo na segunda ronda do Open da Austrália.

Quanto a Serena Williams, a veterana jogadora, de 35 anos, bateu na final do Open da Austrália a irmã Venus Williams e ergueu o 23.º título num ‘Grand Slam’, número que passa a ser um recorde absoluto no circuito desde a era Open. Serena ficou agora com mais um troféu ‘major’ que a alemã Steffi Graf e a um título de igualar a australiana Margaret Court.

Michelle Larcher de Brito continua a ser a melhor portuguesa, embora tenha ‘caído’ 15 lugares na lista publicada esta segunda-feira, surgindo agora na posição 245.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Desigualdade

Estudar é para todos?

José Ferreira Gomes

Todos os jovens merecem igual consideração e há que evitar oferecer diplomas sem valor futuro no mercado de trabalho. O facilitismo só vem prejudicar os jovens, em especial os socialmente mais frágeis

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)