478kWh poupados com o Logótipo da MEO Energia Logótipo da MEO Energia
i

A opção Dark Mode permite-lhe poupar até 30% de bateria.

Reduza a sua pegada ecológica.
Saiba mais

Logótipo da MEO Energia

Adere à Fibra do MEO com a máxima velocidade desde 29.99/mês aqui.

Os desportos mais violentos do mundo. Gladiadores, ninjas e... australianos

Este artigo tem mais de 5 anos

Acha mesmo que o futebol americano é um desporto violento? Não perca a nossa volta ao mundo em desportos (mesmo) violentos. Há gladiadores, há ninjas e há... australianos.

i

DR

DR

Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

O futebol americano – cuja finalíssima se disputa este domingo em Houston – é, muitas vezes, considerado um desporto violento, mas a National Football League (NFL) tem vindo a mudar as regras e a investir em tecnologia de proteção corporal, para limitar os riscos de lesões graves. O futebol americano distingue-se pela dureza das jogadas mas há regras apertadas sobre como se pode atingir alguém e, além disso, é raríssimo haver escaramuças depois de o árbitro apitar para o fim da jogada.

Mas há outros desportos em que a segurança dos participantes está longe ser uma preocupação. Conheça três modalidades relativamente obscuras que são, provavelmente, dos desportos mais violentos do mundo — e não incluímos desportos de luta e artes marciais.

Calcio Storico. Vale tudo – até arrancar orelhas

Quem conhece Florença tende a associar a cidade italiana à arte e à cultura renascentista. Mas é nessa cidade italiana que, uma vez por ano, se joga um desporto com mais de 500 anos de História: o calcio storico fiorentino, traduzível por futebol histórico de Florença. Vale tudo, até arrancar orelhas.

Cada equipa tem 27 jogadores e não há substituições, ou seja, não é raro chegar-se ao final dos 50 minutos de jogo com pouco mais de metade da equipa em campo. O objetivo é chegar com a bola até à linha defensiva do adversário, a caccia, e acertar nessa longa baliza — se atirar a bola e falhar, a defesa ganha meio ponto. A forma mais eficaz de ganhar é imobilizar os adversários no chão ou lesioná-los para que não voltem, ganhando vantagem numérica.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

É como uma mistura de futebol, raguebi, artes marciais mistas e luta greco-romana. Vale tudo: pontapés, socos, cabeçadas, joelhadas e cotoveladas. A única coisa que não é bem vista é dar pontapés na cabeça de um jogador que esteja no chão.

Este jogo com grande carga histórica é disputado numa praça central da cidade, perto da Basílica de Santa Croce. As equipas envolvidas são os quatro bairros da cidade. Ninguém recebe dinheiro por participar — o vencedor ganha apenas um banquete no final do jogo, a desfrutar por aqueles que chegarem ao final do dia com a mandíbula no sítio e que puderem mastigar.

Bo Taoshi. O ninja é o último a cair

Outra modalidade fértil em lesões graves joga-se no Japão e chama-se Bo Taoshi, o que significa deitar abaixo o poste. É um desporto especialmente popular nas escolas e universidades nipónicas, bem como nas forças armadas japonesas. Há dois postes em jogo e cada equipa tem 150 jogadores: 75 a atacar o poste adversário e 75 a defender o seu próprio poste. É a loucura.

Quando os árbitros dão o tiro de partida (não servem para muito mais, na verdade), os dois postes estão perpendiculares em relação ao chão. O objetivo da ofensiva é derrubar o poste adversário até que este fique com uma inclinação de 35º (até 1973 bastava chegar aos 45º).

Não há grandes limites ao que se pode fazer para tentar derrubar o poste, incluindo espezinhar adversários e pular por cima de colegas e voar em direção ao ninja, o defesa que está no topo do poste a balançar o corpo de um lado para o outro, tentando ajudar ao equilíbrio do poste. Normalmente, uma vez que se consiga deitar a mão ao ninja, a defesa não aguenta muito mais.

Vence quem conseguir derrubar o poste adversário primeiro.

https://www.youtube.com/watch?v=Ds0w9adW0Qs

Aussie Football. Achava que o râguebi era um desporto perigoso?

Acha que o futebol americano é violento? Ou mesmo o râguebi? Procure assistir a uma partida de futebol australiano (aussie football) e verá o que é um desporto com bola realmente violento.

Não há proteções e os embates são violentos entre os 18 jogadores de cada equipa, que têm de progredir com a bola correndo com ela, jogando-a com a mão ou pontapeando-a. Não são muitas as regras que existem para limitar o contacto entre os jogadores, que se degladiam num campo oval com uma baliza de postes em cada lado.

A bola também é oval, parecida com uma bola de râguebi. Uma das imagens mais típicas deste desporto é o chamado marking, isto é, quando um jogador salta (voa?) para apanhar uma bola que tenha sido pontapeada para o ar — sem deixar a bola cair ao chão.

A velocidade e a agressividade com que esta modalidade é disputada fazem com que as lesões graves são muito, muito frequentes — e impressionantes (link só para pessoas pouco impressionáveis). Mais do que explicações em texto, nada como ver imagens de alguns dos maiores choques físicos do Aussie Football.

A página está a demorar muito tempo.

Ofereça este artigo a um amigo

Enquanto assinante, tem para partilhar este mês.

A enviar artigo...

Artigo oferecido com sucesso

Ainda tem para partilhar este mês.

O seu amigo vai receber, nos próximos minutos, um e-mail com uma ligação para ler este artigo gratuitamente.

Ofereça artigos por mês ao ser assinante do Observador

Partilhe os seus artigos preferidos com os seus amigos.
Quem recebe só precisa de iniciar a sessão na conta Observador e poderá ler o artigo, mesmo que não seja assinante.

Este artigo foi-lhe oferecido pelo nosso assinante . Assine o Observador hoje, e tenha acesso ilimitado a todo o nosso conteúdo. Veja aqui as suas opções.

Atingiu o limite de artigos que pode oferecer

Já ofereceu artigos este mês.
A partir de 1 de poderá oferecer mais artigos aos seus amigos.

Aconteceu um erro

Por favor tente mais tarde.

Atenção

Este artigo só pode ser lido por um utilizador registado com o mesmo endereço de email que recebeu esta oferta.
Para conseguir ler o artigo inicie sessão com o endereço de email correto.