A primeira-ministra britânica, Theresa May, “não acredita que deva haver um segundo referendo” sobre a independência da Escócia, afirmou esta quarta-feira uma porta-voz, depois de notícias sobre planos de contingência do Executivo caso haja nova votação.

Não pensamos que seja necessário um segundo referendo. Já houve um. Foi claro, decisivo, legal e ambos os lados acordaram aceitar os resultados”, disse a porta-voz à imprensa, referindo-se à votação de 2014 em que 55% votaram a favor da manutenção da Escócia no Reino Unido.

A porta-voz respondia a perguntas sobre notícias segundo as quais o governo britânico preparou um plano de contingência para o caso de a chefe do governo escocês, Nicola Sturgeon, convocar um novo referendo.

Segundo o diário escocês The Courier, Londres admite a possibilidade de Sturgeon anunciar no congresso do seu partido, o Partido Nacionalista Escocês (SNP), em março, a realização de um segundo referendo em agosto de 2018.

O jornal acrescenta, citando fontes de Downing Street, que decorrem “discussões para um plano B” entre a equipa de Theresa May, o departamento do governo para a Escócia e a líder dos conservadores escoceses, Ruth Davidson.

Segundo uma sondagem do instituto BMG realizada junto de 1.067 eleitores escoceses, o apoio à independência da Escócia, excluindo os indecisos, aumentou três pontos percentuais desde dezembro, com 49% de apoio, embora 51% continuem a dizer-se contrários.

Para 56% dos inquiridos, contudo, um referendo só deve realizar-se após a conclusão das negociações do Brexit, o que não deve ocorrer antes de meados de 2019.

Desde o referendo de 23 de junho em que foi aprovada a saída do Reino Unido da União Europeia que a primeira-ministra escocesa refere a eventualidade de um segundo referendo sobre a independência.

Em janeiro, quando Theresa May anunciou as principais linhas para a negociação do “divórcio” com a União Europeia, entre as quais a saída do mercado único, Nicola Sturgeon afirmou que uma segunda consulta era “mais provável” que nunca.