Crimes Sexuais

A emoção de Ashton Kutcher no apelo pelo fim dos abusos sexuais a crianças

2.338

O ator Ashton Kutcher levou até Washington a causa da fundação Thorn, da qual é co-fundador, que consiste em proteger crianças de escravatura sexual. A meio do discurso não conteve a emoção.

O testemunho do ator foi duro e emotivo perante a Comissão de Relações Exteriores do Senado

A emoção era visível, mais que não fosse pela voz embargada do ator Ashton Kutcher, e começou a notar-se a certa altura do seu discurso perante a Comissão de Relações Exteriores do Senado, em Washington. Como co-fundador de uma associação que se debruça no combate ao tráfico humano e escravidão e abusos sexuais a crianças – a Thorn: Digital Defenders of Children – o ator de Hollywood levou a problemática da escravidão sexual até ao Senado para pedir mais preocupação pela causa.

Kutcher não se ficou pelo discurso diplomático e levou casos duros e concretos à audiência que foi presidida por Bob Corker, Presidente da Comissão de Relações Exteriores do Senado e Senador pelo Estado do Tennessee do partido Republicano. Durante a sua intervenção, o ator de 39 anos afirmou que viu coisas que “nenhuma pessoa, nunca deveria ver”. O ator, pai de dois filhos, fruto do casamento com a também atriz Mila Kunis, referia-se a um vídeo que continha contudo de pedofilia. Aí o ator não conteve a emoção ao relembrar que aquela criança do vídeo tem a mesma idade que a sua filha mais velha.

Eu vi o conteúdo de um vídeo onde uma criança, com a mesma idade da minha filha, a ser violada por um homem americano que não era mais do que um turista sexual no Camboja. Esta criança foi tão condicionada naquele ambiente que ela pensava que estava a num jogo”.

O momento em que Ashton Kutcher se emociona surge ao minuto 3, no vídeo que mostramos abaixo:

Thorn: uma fundação que quer ajudar através da tecnologia

A grande bandeira da fundação, da qual o ator e investidor é co-fundador, é proteger essencialmente as crianças da exposição de pornografia e pedofilia online. Kutcher defende que as novas tecnologias são fundamentais para bloquear que certos sites consigam publicar conteúdo de exploração sexual infantil.

Mais, o ator de 39 anos levou casos concretos ao Senado de Washington de como a sua organização, desde 2012, através da tecnologia, já conseguiu detetar cerca de 6 mil vitimas e em apenas seis meses. Kutcher afirmou ainda que “a tecnologia pode ser usada para permitir a escravidão, mas também pode ser usado para anular a escravidão.”

No Twitter, Ashton Kutcher comentou depois a sua intervenção na Comissão de Relações Exteriores do Senado, onde afirmou que esta causa não era o seu trabalho mas sim um dever pela comunidade:

A fundação também fez questão de marcar o testemunho do ator:

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.
Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)