A jovem indonésia suspeita de ter assassinado o meio-irmão do líder da Coreia do Norte disse, esta sexta-feira, que pensava que o assassinato era uma partida para um programa de “apanhados”. A informação é avançada pela Associated Press.

O chefe da polícia da Indonésia, Tito Karnavian, revelou que Siti Aisyah, de 25 anos, e outra mulher, participavam em partidas para um programa de comédia na televisão. Uma das brincadeiras mais habituais era convencer homens a fecharem os olhos e borrifar-lhes a cara com água.

Esta ação ocorreu três ou quatro vezes e elas recebiam dólares por isso. No seu último alvo, Kim Jong-Nam, aparentemente havia materiais perigosos na água. Ela não sabia que se tratava de uma tentativa de assassinato por parte de agentes estrangeiros”, explicou o chefe da polícia.

Um familiar de Aisyah disse, em entrevista a um canal indonésio, que a jovem tinha sido contratada para participar no programa e que tinha viajado para a China (e outros países) por causa desse trabalho, o que as autoridades indonésias confirmam.

O meio irmão do líder Kim Jong-Un foi envenenado por duas mulheres, esta segunda-feira, no aeroporto de Kuala Lumpur, na Malásia. As autoridades identificaram Doan Thi Houng, de 29 anos, e Aisyha — através das imagens das câmaras de vigilância do aeroporto — como as principais suspeitas.