Fiat

FCA e Volkswagen. Isto dá em casamento ou é assédio?

Continua o "namoro" (agitado) entre os líderes da FCA e da VW. Desta feita, com Marchionne a dar o dito por não dito e a afirmar mesmo esperar "com "expectativa" um encontro com Matthias Müller.

Sergio Marchionne (à direita) baralha e volta a dar, tentando criar apetência para a FCA. Uns dias junto da Volkswagen, e outros da General Motors

Autor
  • Francisco António

Depois de, ele próprio, ter avançado, no início de Março, com a possibilidade de uma fusão entre a Fiat Chrysler Automobiles (FCA) e o Grupo Volkswagen, só para recusá-la alguns dias depois, após um encontro com Donald Trump, eis que Sergio Marchionne, homem-forte da FCA, volta à carga sobre o tema. Desta feita e de forma algo inesperada, para voltar a admitir tal cenário, afirmando mesmo aguardar com expectativa um possível encontro com o CEO da companhia alemã, Matthias Müller, para debaterem, em conjunto, uma possível fusão entre os dois grupos automóveis.

A notícia é avançada pela Automotive News Europe, com base em informações divulgadas pela agência Reuters, que cita declarações recentes de Marchionne, nas quais o CEO da FCA disse “aguardar com expectativa” um encontro com o seu homólogo da Volkswagen. Isto, depois de Matthias Müller ter dito não descartar a possibilidade de conversações entre os dois grupos.

“Existem quatro a cinco construtores automóveis de nível global, pelo que, se alguma coisa tiver de ser feita, com certeza, será”, afirmou, na sequência de um encontro com jornalistas, ainda em Genebra, o patrão da FCA. Salientando que, “não falei com Müller nos últimos seis, sete meses, mas certamente irei falar, assim que tiver a primeira oportunidade”.

Recorde-se que Marchionne é um dos líderes da indústria automóvel que há muito defende fusões entre fabricantes, como forma de partilhar custos, nomeadamente no desenvolvimento de veículos mais limpos e tecnologicamente avançados. Desejo que, aliás, não se tem cansado de repetir através dos media.

Matthias Müller prefere conversações sem passar pela imprensa

Sobre o “namoro” entre FCA e o Grupo Volkswagen, tudo começou no início de Março, com Marchionne a avançar, pela primeira vez, essa possibilidade. Embora para, apenas alguns dias depois, mais concretamente a 15 de março, descartá-la por completo, afirmando mesmo ter “zero interesse” numa fusão com o grupo alemão. “Eu apenas disse que, a partir do momento em que és o fabricante automóvel n.º 1 na Europa e alguém chega a acordo com o outro fabricante para ser o n.º 2, então, a tua primeira reacção será sempre no sentido de procurares voltar a distanciar-te deles”, comentou, então, Marchionne. Acrescentando que, “caso alguém pretenda tomar uma medida do género”, a FCA será sempre “o parceiro natural” para esse tipo de acção. “Aliás, se estivéssemos a jogar uma partida de xadrez, essa seria a jogada natural.”

Afirmando-se disponível para ouvir qualquer proposta vinda de Wolfsburgo, o CEO da FCA, garante, no entanto, que não pensa andar atrás de Matthias Müller: “Não andei a correr atrás dele, nem penso fazê-lo. Contudo, se eu estiver certo quanto à necessidade de consolidação e multiplicação da produção, então, acredito que somos o parceiro natural a quem ele primeiro deverá dirigir-se”.

Mas se Marchionne tem variado as posições tomadas, o CEO da Volkswagen também não tem tido propriamente uma posição definida, desde o despoletar do tema. Começou por garantir, a 14 de março, que não existia “qualquer contacto” entre ele e Marchionne nesse sentido, para posteriormente dizer a jornalistas alemães que não estava a “descartar qualquer conversação”. Embora, mandando um recado: “Seria muito bom se o Sr. Marchionne me informasse directamente das suas considerações, e não apenas a vocês.” Ainda assim, sublinhando que continua “muito confiante no futuro da Volkswagen, com ou sem Marchionne”.

Comparador de carros novos

Compare até quatro, de entre todos os carros disponíveis no mercado, lado a lado.

Comparador de carros novosExperimentar agora

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)