Rádio Observador

Carlos Costa

Carlos Costa considera “boas notícias” as projeções do Banco de Portugal

O governador do Banco de Portugal, Carlos Costa, considerou esta quarta-feira "boas notícias" as projeções macroeconómicas divulgadas pelo banco central.

Carlos Costa discursou no encerramento da 2.ª sessão da 6.ª Conferência da Central de Balanços

NUNO VEIGA/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

O governador do Banco de Portugal (BdP), Carlos Costa, considerou esta quarta-feira “boas notícias” as projeções macroeconómicas divulgadas pelo banco central, que significam que “o ciclo de investimento se iniciou” e que o das exportações “não se interrompeu”.

As projeções macroeconómicas que hoje anunciámos significam três coisas: Significam que o ciclo de investimento se iniciou, que o ciclo de exportação não se interrompeu, mas significam também que precisamos ainda de maior volume de investimento”, afirmou.

Ao intervir no encerramento de uma conferência em Évora, o governador do BdP salientou que o país precisa de “aprofundar o peso das exportações” no Produto Interno Bruto (PIB), “para chegar a um nível da ordem dos 60%, no mínimo”. Desta forma, continuou, será possível “garantir que temos uma sustentabilidade externa, uma sustentabilidade de crescimento económico, uma criação de emprego e, depois, uma geração de Produto que consegue conciliar mais bem-estar, mais emprego, menos endividamento de todos os agentes envolvidos e uma melhor perspetiva de qualificações”.

No seu discurso, no encerramento da 2.ª sessão da 6.ª Conferência da Central de Balanços do BdP, subordinada ao tema “Modernização do tecido empresarial português”, Carlos Costa destacou algumas das projeções para a economia portuguesa 2017-2019 esta quarta-feira divulgadas pelo banco central. Segundo o governador do BdP, “pela primeira vez, a formação bruta de capital fixo, e aqui com uma componente muito importante das máquinas, ou seja, equipamento diretamente produtivo, passa para terreno positivo”.

Temos uma projeção macroeconómica para 2016, ou melhor, quase dados adquiridos, de uma evolução negativa da formação bruta de capital fixo de 0,3%. Para 2017, estamos a apontar para 6,8%, para 2018 5% e para 2019 para 4,8%”, continuou.

Para Carlos Costa, estas são “boas notícias porque, sem investimento não há crescimento do Produto” e “não há também criação de emprego”. “E, sem criação de emprego e crescimento do Produto, não há, seguramente, melhoria das condições de vida da população portuguesa”, disse. E estas são também “boas notícias” porque surgem acompanhadas de outros dados igualmente positivos, relativos à evolução das exportações, frisou.

“As exportações devem passar de um crescimento de 4,4% para 6,0% este ano, 4,8% no próximo ano e 4,5% em 2019”, indicou. “Portanto, temos um crescimento sustentado numa balança de pagamentos positiva”, ou seja, “com condições de sustentabilidade e um crescimento sustentado numa base de investimento, mais do que numa base de consumo”, destacou.

O governador do BdP afirmou ainda que, “não obstante os ‘acidentes’ conhecidos e públicos no sistema financeiro” do país, “nunca a economia portuguesa teve um ‘acidente’ ou uma dificuldade, quer do ponto de vista da confiança pública dos depositantes, quer do ponto de vista da continuidade de financiamento da economia”.

Nas projeções esta quarta-feira divulgadas, o BdP reviu em alta a previsão de crescimento económico para este ano e para os próximos dois, estimando agora que o PIB cresça 1,8% em 2017.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)