Rádio Observador

PSD

PSD acusa Vieira da Silva de esconder “arguido” no caso Montepio

O PSD acusa o ministro do Trabalho e da Segurança Social, Vieira da Silva, de ter omitido que Tomás Correia era arguido num processo judicial relacionado com a banca. Ministério não comenta.

"Vieira da Silva sabe, desde janeiro, que Tomás Correia, presidente da mútua, foi constituído arguido", diz o PSD

MANUEL DE ALMEIDA/LUSA

Autor
  • Miguel Santos Carrapatoso

Os sociais-democratas acusam o ministro do Trabalho e da Segurança Social, Vieira da Silva, que tutela a supervisão da Associação do Mutalista — de saber desde janeiro que Tomás Correia, presidente da Associação Mutualista, era arguido num processo relacionado com a banca.

A denúncia do PSD é exposta na newsletter que o partido envia diariamente aos subscritores e que reúne vários artigos assinados pelos sociais-democratas. Nesse texto, o PSD acusa Vieira da Silva de ter omitido o facto de Tomás Correia ser arguido num inquérito nascido a partir da Operação Marquês. O texto não podia ser mais claro:

“O ministro Vieira da Silva – a tutela de supervisão da Associação do Montepio – sabe, desde janeiro, que Tomás Correia, presidente da mútua, foi constituído arguido num processo relacionado com a banca, mas omitiu esse facto aos portugueses”, escreve o PSD.

O texto faz depois referência às declarações desta manhã do vice-presidente do grupo parlamentar social-democrata António Leitão Amaro. Nessa conferência de imprensa, o deputado do PSD salientou que, nas últimas semanas, têm sido noticiados “factos relevantes” sobre o grupo Montepio e sobre o presidente da Associação Mutualista, Tomás Correia, “situações graves” que seriam do conhecimento do Governo “há meses”.

Mais, afirmou Leitão Amaro: “Porque o Governo é responsável, porque o ministro das Finanças faz um exercício de desresponsabilização, torna-se necessário que sejam dados esclarecimentos aos portugueses sobre o que o governo está a fazer e se está a cumprir a sua função de supervisão”, afirmou, sublinhando que o executivo socialista “está em funções há 16 meses”.

Confrontado pelo Observador com o conteúdo da newsletter, António Leitão Amaro esclarece que o texto não foi escrito por ele, vincula apenas o PSD e lembra que nunca, durante a sua intervenção pública, mencionou sequer o termo “arguido”. Desafiado a explicar de que forma o PSD podia saber que Tomás Correia era arguido, Leitão Amaro responde: “Não sei, provavelmente pelos jornais”.

O Observador procurou um esclarecimento junto do Ministério do Trabalho e da Segurança Social que preferiu não comentar a questão.

De facto, em janeiro, o Expresso deu conta que Tomás Correia tinha sido por suspeitas de ter recebido um pagamento ilícito de 1,5 milhões de euros do construtor José Guilherme.

Esta quarta-feira, a SIC Notícias voltou à carga e avançou que o ex-presidente do Montepio Geral era alvo de um novo inquérito nascido a partir da Operação Marquês, uma informação confirmada pelo Observador.

A Procuradoria-Geral da República (PGR) confirmou, através de um comunicado enviado às redações, a existência de um inquérito no qual se “investigam factos relacionados com o financiamento concedido por Montepio Geral e BES a um fundo para aquisição de terrenos”. No inquérito, que neste momento tem três arguidos constituídos, estão em causa crimes de abuso de confiança, burla qualificada e branqueamento de capitais. No comunicado lê-se ainda que a investigação foi iniciada em 2016 e “teve origem numa certidão extraída da designada Operação Marquês”.

Ainda que vários órgãos de comunicação social (incluindo o Observador) tenham confirmado junto de fontes próximas do processo que Tomás Correia é efetivamente arguido neste processo, a PGR não faz qualquer referência ao nome do banqueiro. De recordar que vigora o princípio de separação de poderes e que o poder executivo não tem acesso a informações sobre processos que estão em segredo de justiça.

* Artigo atualizado a 31 de março com a resposta do Ministério do Trabalho e da Segurança Social

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)