Rádio Observador

Reino Unido

Secretas britânicas avisaram FBI: assessores de Trump e Rússia mantiveram contactos “suspeitos” antes das eleições

Os serviços de inteligência britânicos terão interceptado conversas "suspeitas" entre membros da campanha de Trump e agentes das secretas russas antes das eleições. FBI "estava a dormir".

Mark Wilson/Getty Images

A relação de Donald Trump com Vladimir Putin deteriorou-se nas últimas semanas. Sobretudo após o ataque dos Estados Unidos contra o regime sírio. Foi o próprio presidente russo quem esta quarta-feira o assumiu em entrevista à MIT TV: “Pode dizer-se que a confiança a nível de trabalho e, especialmente, a nível militar não melhorou. Antes pelo contrário”.

Mas tempos houve em que a relação entre ambos foi particularmente próxima. Agora, é o Guardian que esta quinta-feira escreve (citando fontes anónimas e próximas do Government Communications Headquarters, ou seja, o serviço de inteligência britânico) sobre a relação de Trump com Moscovo e a alegada interferência russa no processo eleitoral dos Estados Unidos.

Segundo o jornal britânico, os contactos entre membros destacados da campanha de Trump e as secretas russas começaram em meados de 2015. Seis meses mais tarde, no Verão do ano seguinte, e depois de intercetarem parte dos contactos que considerariam “suspeitos” e “sensíveis”, terá sido o então diretor do GCHQ, Robert Hannigan, quem partilhou este material com o homólogo da CIA, John Brennan.

Não terão sido, no entanto, somente as secretas britânicas a colocar sob escuta os homens próximos de Trump. Também as secretas da Alemanha, Estónia, Polónia ou Austrália o terão feito e, tal como as britânicas, contactado o FBI.

Porém, e ao contrário do que afirmou em tempos Kellyanne Conway, conselheira do Presidente dos Estados Unidos e ex-chefe de campanha de Donald Trump, este nunca foi escutado pelo FBI a pedido de Obama — Kellyanne falou até de escutas escondidas em micro-ondas. E mesmo as escutas das secretas britânicas, explica o Guardian, não foram inicialmente dirigidas a Trump mas a alguns membros das secretas russas, tendo a interceção destas conversas sido recolhidas “por acaso” numa “vigilância de rotina” à Rússia.

Uma fonte das secretas britânicas explicou ao Guardian que, mesmo após a troca de informação entre o GCHQ e o FBI, as secretas norte-americanas tardaram a agir. “Eles não foram treinados para fazê-lo [analisar a comunicação privada de cidadãos norte-americanos sem um mandado judicial]. É como se as secretas [norte-americanas] estivessem a dormir. As agências europeias diziam: há contactos entre gente próxima de Trump e as secretas russas, tenham cuidado, há algo de errado aqui.”

Em reacção à notícia do Guardian, o porta-voz do GCHQ limitou-se a dizer: “É política de longa data que não comentamos assuntos de inteligência”.

Mas as escutas que levantam suspeitas sobre a relação de Trump com Moscovo não são uma novidade. Chegou a especular-se, após a sua chegada à Casa Branca, se Donald Trump não estaria mesmo a ser vítima de “kompromat”, ou seja, de chantagem por parte de Putin e das secretas russas.

E tudo porque dois ex-espiões britânicos (que hoje trabalham como consultores do setor privado, na empresa londrina Orbis Business Intelligence) apresentaram um relatório sobre as ligações à Rússia do presidente norte-americano. O relatório, segundo o qual Moscovo conspirou durante anos para estabelecer relações com Trump, foi classificado pelo Presidente americano como “uma impostura” e “informação falsa”.

O relatório terá sido entregue aos serviços de informação norte-americanos no ano passado.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)