O “herói acidental”, como ficou conhecido depois de, acidentalmente, ter travado o vírus WannaCry que infetou empresas em mais de 150 países na passada sexta-feira, recebeu um prémio por parte a rede de hackers HackerOne, que consideraram que ele tinha feito um excelente serviço. Agora, o “herói” Marcus Hutchins decidiu doar 10 mil dólares à caridade.

Foi na passada sexta-feira que mais de 150 países viram as suas empresas atacadas por um vírus chamado WannaCry que, sendo um ransomware, apoderava-se dos computadores ligados aos servidores das empresas e impedia o acesso aos mesmos, exigindo um resgate de 300 dólares em bitcoins – moeda digital não controlada por qualquer entidade.

Marcus Hutchins, um rapaz britânico de 22 anos, especialista em tecnologia que assina na internet como MalwareTech, foi responsável por travar o ataque em grande escala com aproximadamente 10 dólares, criando assim um killer switch do vírus. O grupo de hackers HackerOne, que costuma recompensar “hackers éticos” que se esforçam por encontrar problemas nos softwares, reconheceu o feito de Hutchins e decidiu oferecer-lhe um prémio de 10 mil dólares que o “herói acidental” diz que vai dividir por várias instituições de caridade.

O grupo de hackers enviou a recompensa acompanhada por uma mensagem: “Obrigado pela tua pesquisa ativa sobre este malware e por tornares a internet um local mais seguro”.

O hacker mostrou-se pouco interessado em receber dinheiro pelo que tinha feito mas prefere não divulgar quais são as instituições beneficiárias da sua doação.

O ataque em grande escala que ocorreu na sexta-feira aproveitava-se de uma falha de segurança do sistema operativo Windows. A falha já tinha sido corrigida pela Microsoft mas, os computadores que não estavam atualizados não se encontravam protegidos. O hacker conseguiu registar um domínio, por cerca de 10 dólares, com um endereço encontrado no código do vírus que acabava por funcionar como um “botão para desligar”.