Rádio Observador

Destinos

O Alentejo está entre os 10 melhores destinos europeus para a Lonely Planet

1.166

A Lonely Planet enumerou os 10 melhores destinos europeus a visitar em 2017. O Alentejo faz parte da lista pelo seu património arquitetónico, a costa recortada, as vilas medievais e, claro, a cozinha.

A Lonely Planet enumerou os 10 melhores destinos europeus a visitar em 2017. O Alentejo está nessa lista devido à sua “beleza intemporal” e o guia de viagens destaca os castelos, a costa, as vinhas, o património e a cozinha da região, entre outros pontos de interesse.

Entre os 10 escolhidos há destinos para todos os gostos: desde o turismo rural às praias, passando por locais considerados Património Mundial da Unesco (como o Alentejo, outra vez). Aqui segue a lista:

1. Zagreb, Croácia

Se vai até à Croácia é provável que faça um desvio até à costa, mas a capital não deve ser esquecida, escreve a Lonely Planet. Zagreb é simultaneamente cosmopolita e agitada, cheia de praças repletas de sol e sítios para beber café. Um dos destaques do guia de viagens vai para um abrigo de bombas que remonta à Segunda Guerra Mundial, reaberto recentemente. Mas não é tudo: também a comida e a cerveja artesanal são pontos a considerar. Com a abertura do aeroporto de Zagreb e de novas rotas aéreas não faltam razões para voar até à capital croata.

2. Gotland, Suécia

Em Gotland podemos contar com uma densidade de locais históricos, tal como um sol radiante que ilumina a cidade, sem esquecer os restaurantes conceituados de Visby. A ilha báltica tem ainda paisagens deslumbrantes, com pastos, florestas, aldeias de pesca e praias. Já em junho realizam-se os Island Games de 2017.

3. Galiza, Espanha

Santiago de Compostela é o destino certo não só para peregrinos mas para quem procura as paisagens verdes da Galiza. Poucos são, no entanto, aqueles que conhecem este cenário como uma mais valia gastronómica e cultural, escreve a Lonely Planet. A Galiza vale quase como um país independente e tem a sua própria língua, história e música. Praias, penhascos e pequenas aldeias piscatórias são outras das atrações a visitar. Uma última dica do guia: não deixe de provar o vinho galego nem os frutos do mar.

4. Norte de Montenegro

Aqui a Lonely Planet destaca os cruzeiros em fila na baía de Kotor. Quem for mais corajoso também pode atravessar o desfiladeiro mais profundo da Europa, em Tara, ou percorrer as paisagens lunares. Os apaixonados pela gastronomia podem apreciar os queijos de montanha e os guisados de carne. Os fãs de história também podem fazer uma peregrinação aos mosteiros de Ostrog ou de Moraca.

5. Leeds, Reino Unido

Alerta apreciadores de cerveja, das artes e notívagos — mas não só. A cidade inglesa tem atraído quem procura uma alternativa a Londres e não faltam lojas, cafés e restaurantes inovadores abertos nos últimos tempos. A Lonely Planet recomenda que agende a sua visita com tempo e marque na agenda o festival de comida indie, já em maio, a reabertura da principal galeria de arte da cidade e o 50º aniversário do Carnaval de Leeds.

6. Alentejo, Portugal

E aqui está o destino português que o The New York Times já tinha debaixo de olho em 2015. Segundo a Lonely Planet, há vários motivos que justificam que o Alentejo seja um dos destinos a visitar em 2017, nomeadamente: os castelos construídos em penhascos, a costa recortada, as iguarias gastronómicas, as vinhas, os monumentos megalíticos pré-históricos e as maravilhas ocultas como o templo romano e a Capela dos Ossos, ambos em Évora. A juntar a tudo isto, o guia de viagens destaca as guesthouses criativas (como a Train Spot, numa antiga estação de comboios, de que já lhe tínhamos falado aqui), a Rota Vicentina e os restaurantes criativos como iniciativas que têm valorizado cada vez mais a região, ajudando a colocá-la no radar dos turistas.

7. Norte da Alemanha

Para fugir à capital Berlim, aqueles que visitem a Alemanha podem optar por experimentar o Norte do país, sugere a Lonely Planet. Isto porque é no Norte que podem encontrar a sala de concertos Elbphilharmonie de Hamburgo, com uma riqueza arquitetónica e acústica. Se for fã, também pode dar um saltinho às praias.

8. Moldávia

O Lonely Planet chama-lhe “o país das adegas secretas” e dos mosteiros situados em penhascos. Pouco visitado, mas muito surpreendente. O guia de viagens destaca a Exposição de Vinhos anual mas também o passado histórico da Moldávia.

9. Pafos, Chipre

É a capital Europeia da Cultura em 2017 e a distinção traz consigo uma especial atenção e um investimento cultural significativo para valorizar a região. Esta “ilha de Afrodite” traz um passado histórico repleto de catacumbas, templos, castelos, mosaicos romanos e locais que são Património Mundial da Unesco, como o Túmulo dos Reis ou a arquitetura do parque arqueológico Kato Pafos.

10. Le Havre, França

Por último, escreve a Lonely Planet que em 2017 Le Havre é um sítio a não perder, ou não fosse este ano a celebração do 500º aniversário da cidade, a ser comemorado com uma festa de cinco meses e muitos concertos, instalações de arte ao ar livre, desfiles de rua e espetáculos de fogo-de-artifício. Apesar da idade, a cidade é um esplendor de arquitetura moderna, tendo sido completamente reconstruída após a Segunda Guerra Mundial, avança o guia. Entre os locais a visitar estão a praia onde se deu o desembarque da Normandia no Dia D e os penhascos pitorescos de Étretat.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)