Rádio Observador

Chocolate

A engenheira que trocou o emprego fixo pelo chocolate

143

Raquel Lima era engenheira florestal mas trocou o emprego por bombons, tabletes de chocolate vegan e lollypops artesanais e sustentáveis. A sua marca chama-se Pedaços de Cacau. E soma prémios.

Uma caixa com nove bombons custa 8.90€.

© Filipe Braga / Divulgação

Autor
  • Sara Otto Coelho

De um lado estava a engenharia florestal e um emprego seguro para a vida. Do outro, o cacau e o risco de deixar tudo em troca de uma aventura que podia ser doce como um bombom, ou amarga como o limão. Gulosa assumida, Raquel Lima escolheu mudar de rumo e dedicar os seus dias a fazer bombons, tabletes de chocolate vegan e lollypops artesanais. Criou a Pedaços de Cacau e um dos seus bombons, o de limão, até já ganhou uma estrela nos “Óscares” da comida.

E tudo começou da forma mais casual possível. “No Natal de 2013 eu queria oferecer algo feito por mim e não queria dar bugigangas, queria dar algo que desse prazer”, recorda ao Observador. Como gosta tanto de chocolate, lembrou-se de fazer bombons. Comprou as formas e o chocolate e, da sua cozinha, saíram bombons tão bons ou melhores do que muitos dos que se compram por aí, com o carinho como ingrediente surpresa. “Foi um sucesso, toda a gente gostou.”

Como qualquer gulosa, Raquel ficou com alguns em casa. No entanto, com o passar dos dias, reparou que os bombons começaram a ficar “esbranquiçados, com mau aspeto”. Ao saber de um workshop especializado, inscreveu-se para perceber o que tinha corrido mal. “A partir do momento em que entrei no workshop nunca mais quis outra coisa”, recorda. Aprendeu que era preciso temperar o chocolate, por exemplo. “Saí de lá maravilhada, comprei material e fui logo experimentar.”

O bombom com recheio de mel venceu a medalha de ouro na categoria Bombons de Chocolate Negro, no Concurso Nacional de Chocolates Tradicionais. © Filipe Braga / Divulgação

Os bombons que saíam da sua cozinha começaram a ficar tão bons que uma amiga lhe fez uma encomenda considerável para levar numa viagem a Paris. “Nessa altura eu pensei: ‘se isto vai lá para fora, tem de ter etiqueta, tem de ter um nome'”. Chamou-lhe Pedaços de Cacau, registou a marca, pediu a uma amiga para fazer o logótipo e licenciou a sua cozinha. Estávamos em 2014, ano de crise. Raquel Lima era uma das licenciadas no país com a sorte de ter trabalho na área, com contrato sem termo e com uma vida estável. Era difícil largar a segurança da engenharia florestal pelo incerto do chocolate.

Foi uma decisão difícil”, recorda. “Mas já estava cansada de estar sempre à frente de computadores. Estava a faltar-me o contacto com as pessoas, o fazer, o ter feedback. Faltavam-me os sentimentos e eu no chocolate ponho os sentimentos, todos os dias estou a criar bombons diferentes.”

O feedback foi um dos grandes fatores a pesar na sua decisão: ganhou uma estrela no Great Taste Awards, conhecidos como os Óscares da comida, para o seu bombom de limão. No ano passado, o bombom de caramelo recebeu uma medalha de prata no Concurso Nacional de Chocolates Tradicionais e o bombom de mel ganhou a medalha de ouro. Este ano, o seu bombom de laranja foi mesmo o vencedor do prémio Melhor dos Melhores, enquanto as tabletes pimenta rosa e laranja e noz ganharam a medalha de prata.

Desde janeiro que se dedica a 100% ao chocolate. Da sua cozinha saem diariamente 600 bombons, com vários recheios como mel, frutos silvestres, caramelo, creme de avelã, chocolate crocante, café, praliné, morango, maracujá e vinho do Porto. Depois há os sazonais. Como o especial de São João que vai ser lançado agora, inspirado na cidade de Raquel, o Porto, e com sabor a manjerico. Uma caixa com quatro bombons custa 4,20€, a de nove bombons custa 8,90€ e a de 16 sobe para 16,50€.

A Pedaços de Cacau vai tendo chocolates temáticos. O próximo é o bombom de São João, que terá sabor a… Manjerico. © Filipe Braga / Divulgação

Todos os bombons têm mais de 54% de cacau. As tabletes — coco e amêndoa, gengibre e canela, hortelã-pimenta, malagueta e flor de sal, laranja e noz, e pimenta-rosa — ainda são mais saudáveis, com 72% de cacau. “Eu sou uma consumidora diária de chocolate, tinha de ir ao encontro daquilo que eu como todos os dias e quanto mais cacau, mais saudável, menos açúcar e menos manteiga de cacau”, explica. As percentagens são o resultado de várias experiências e provas. “72% porque com outra percentagem o chocolate ia ser tão intenso que ia anular qualquer outro sabor que eu colocasse. Nos bombons a mesma coisa, o recheio lá dentro tem de ter um equilíbrio perfeito entre o chocolate e o recheio.”

As tabletes de 30 gramas custam 1,95€ e as de 100 gramas 4,50€. São todas vegan. Para além de bombons e tabletes, Raquel Lima também faz lollypops, chocospoons para fazer chocolate quente e chocolates temáticos. Em comum têm todos uma coisa: o chocolate provém de cacau plantado em plantações sustentáveis da África Ocidental. “Para mim é importante ter sustentabilidade e um cuidado com os agricultores”, explica a ex-engenheira florestal, que deixou para trás a profissão mas manteve a preocupação com o ambiente. O chocolate não está certificado como de comércio justo, mas Raquel Lima garante que existe uma preocupação em pagar um valor mais justo aos agricultores e dar-lhes formação. “Só de saber que não abatem as árvores todas, que há uma política florestal, isso agrada-me.”

As chocospoons, para derreter em bebidas quentes. © Filipe Braga / Divulgação

No futuro, a Pedaços de Cacau quer ter um espaço próprio. Por enquanto, recebe encomendas na loja online e também se encontra em espaços como a Cardamomo, em Leça da Palmeira, a 100 Pecados e o Cantinho das Aromáticas, em Vila Nova de Gaia.

Todos os produtos são feitos à mão por Raquel Lima, que deixa um conselho a quem está hoje preso a uma profissão que já não lhe dá alegria, como ela estava: “Se a pessoa tem um hobby e gosta verdadeiramente dele, deve arriscar porque, quando se faz com amor o que nós gostamos, o negócio vai vingar.”

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)