Olá

835kWh poupados com a
i

A opção Dark Mode permite-lhe poupar até 30% de bateria.

Reduza a sua pegada ecológica.
Saiba mais

As redes sociais já são a principal fonte de notícias

Este artigo tem mais de 5 anos

Um relatório do Reuters Institute e da Universidade de Oxford aponta as redes sociais como o principal veículo de consumo de informação. No topo da lista estão o Facebook, WhatsApp e YouTube.

Apenas o Japão e a Coreia do Sul não têm o Facebook como a principal plataforma onde se consome notícias
i

Apenas o Japão e a Coreia do Sul não têm o Facebook como a principal plataforma onde se consome notícias

RITCHIE B. TONGO/EPA

Apenas o Japão e a Coreia do Sul não têm o Facebook como a principal plataforma onde se consome notícias

RITCHIE B. TONGO/EPA

Já lá vai o tempo em que era preciso ligar o rádio, esperar pelo telejornal das 20h ou pelo jornal em papel do dia seguinte, a Internet mudou radicalmente a forma como são produzidas e consumidas as notícias. A mudança foi global e aparece agora explicada por um estudo da Reuters Institute for the Study of Journalism e da Universidade de Oxford: Facebook, YouTube e WhatsApp (por esta ordem) são as principais plataformas por onde é consumida informação.

O estudo, publicado pela Digital News Report, analisou 34 países por todo o mundo. O uso generalizado das redes sociais é inegável, a diferença vai para o uso que cada país lhe dá. Assim, se nos Estados Unidos e no Reino Unido apenas entre 3% e 5% de notícias são consumidas via WhatsApp, noutros países esse valor sobe até aos 51%, como é exemplo a Malásia – no Brasil são 46% e em Espanha 32%.

O Facebook e o YouTube são as principais fontes de consumo de informação do mundo. Apenas o Japão e a Coreia do Sul não têm o Facebook como a principal plataforma onde se consome notícias, destacam-se nesses países o YouTube e a Kakao Talk (uma rede social local).

Mas há um padrão comum: na generalidade dos países, o consumo de notícias pela televisão e por meios online está a aumentar, ao mesmo tempo que o jornal em papel está a cair em desuso.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Por outro lado, verifica-se também uma tendência decrescente em escolher um media como meio prioritário para aceder às notícias. A preferência, neste caso, recai cada vez mais nas redes sociais e nas aplicações de chat.

Para além do WhatsApp, também o Viber e o Facebook Messenger são dos mais eleitos no Sul e Este da Europa. O Facebook é desta forma a rede mais utilizada, tanto para mensagens como para transmissão de conteúdos.

O relatório conclui também que há algumas diferenças na forma como se consome informação. Muitos dos utilizadores preferem partilhar e comentar de forma privada, via chat, o que acontece no dia a dia. Não surpreende então que em países onde há menos liberdade de expressão o WhatsApp apareça como o maior motor de transmissão de informação. O estudo dá ainda o exemplo de países como o Chile, onde as estações de rádio comunicam através de mensagem áudio dentro da aplicação WhatsApp, o que aumenta o consumo desta rede social.

O nível de confiança nas notícias foi outro dado analisado. Os mais elevados vão para os países do Norte da Europa e Escandinavos, mas também Portugal e o Brasil aparecem destacados nos primeiros lugares. O resto da Europa revela menores níveis de confiança, tal como alguns países asiáticos, onde os media são vistos como muito próximos ao Governo.

Quanto ao consumo efetivo em si, o relatório concluiu que apenas 13% paga por notícias online. É nos países do norte da Europa onde se paga mais, do lado oposto encontram-se os países do sul da Europa e Ásia.

 
Assine o Observador a partir de 0,18€/ dia

Não é só para chegar ao fim deste artigo:

  • Leitura sem limites, em qualquer dispositivo
  • Menos publicidade
  • Desconto na Academia Observador
  • Desconto na revista best-of
  • Newsletter exclusiva
  • Conversas com jornalistas exclusivas
  • Oferta de artigos
  • Participação nos comentários

Apoie agora o jornalismo independente

Ver planos

Oferta limitada

Já é assinante?
Apoio a cliente

Para continuar a ler assine o Observador
Assine o Observador a partir de 0,18€/ dia
Ver planos

Oferta limitada

Já é assinante?
Apoio a cliente

Ofereça este artigo a um amigo

Enquanto assinante, tem para partilhar este mês.

A enviar artigo...

Artigo oferecido com sucesso

Ainda tem para partilhar este mês.

O seu amigo vai receber, nos próximos minutos, um e-mail com uma ligação para ler este artigo gratuitamente.

Ofereça artigos por mês ao ser assinante do Observador

Partilhe os seus artigos preferidos com os seus amigos.
Quem recebe só precisa de iniciar a sessão na conta Observador e poderá ler o artigo, mesmo que não seja assinante.

Este artigo foi-lhe oferecido pelo nosso assinante . Assine o Observador hoje, e tenha acesso ilimitado a todo o nosso conteúdo. Veja aqui as suas opções.

Atingiu o limite de artigos que pode oferecer

Já ofereceu artigos este mês.
A partir de 1 de poderá oferecer mais artigos aos seus amigos.

Aconteceu um erro

Por favor tente mais tarde.

Atenção

Para ler este artigo grátis, registe-se gratuitamente no Observador com o mesmo email com o qual recebeu esta oferta.

Caso já tenha uma conta, faça login aqui.

Apoie o jornalismo. Leia sem limites. Apoie o jornalismo. Leia sem limites.
Desde 0,18€/dia
Apoie o jornalismo. Leia sem limites.
Apoie o jornalismo. Leia sem limites. Desde 0,18€/dia
Em tempos de incerteza e mudanças rápidas, é essencial estar bem informado. Não deixe que as notícias passem ao seu lado – assine agora e tenha acesso ilimitado às histórias que moldam o nosso País.
Ver ofertas