459kWh poupados com o Logótipo da MEO Energia Logótipo da MEO Energia
i

A opção Dark Mode permite-lhe poupar até 30% de bateria.

Reduza a sua pegada ecológica.
Saiba mais

Logótipo da MEO Energia

Adere à Fibra do MEO com a máxima velocidade desde 29.99/mês aqui.

A PSP celebra hoje 150 anos. Veja algumas das fotografias mais antigas

Este artigo tem mais de 5 anos

Cento e cinquenta anos depois de a 2 de julho de 1867 D. Luís ter feito nascer a Polícia Cívica em Lisboa e no Porto, tudo mudou no país. Veja algumas das fotografias mais antigas da PSP.

5 fotos

Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Este domingo, a Polícia de Segurança Pública (PSP) assinala o 150º aniversário com a exposição “150 anos da PSP”, na Praça do Comércio, em Lisboa, aberta ao público das 10h30 às 19h00. Cento e cinquenta anos depois de, a 2 de julho de 1867, o rei D. Luís ter feito nascer a Polícia Cívica em Lisboa e no Porto, o que mudou? Tudo. A designação atual da força de segurança só surgiu, aliás, 26 anos depois, com a reforma que dividiu a polícia cívica em três ramos: a PSP, a Polícia de Inspeção Administrativa e a Polícia de Investigação Judiciária e Preventiva.

Nestes 150 anos, foram várias as tensões sociais e políticas que atravessaram o país, começando com os protestos anti-monárquicos da altura, passando pelo regicídio de 1908. Mas foi sobretudo no Estado Novo, entre 1933 e 1945, que a PSP começou a caminhar para uma força policial cada vez mais militarizada.

Entre 1920 e 1943 o número de agentes da PSP cresceu substancialmente, passando de 3.729 elementos para 7.005, e foi a partir daí que a força de segurança começou a dividir-se em diferentes unidades, criando os vários serviços que hoje conhecemos. A maioria dos benefícios sociais que protege os agentes e as famílias só surgem na década de 1960, bem como a primeira Escola Prática de Polícia.

Depois do 25 de abril de 1974, a PSP passou a limitar as suas intervenções ao mínimo para não ser conotada com o antigo regime. Até 1976, a indefinição no seio da PSP foi grande e a atuação policial voltou a privilegiar a vertente cívica: primeiro a prevenção e só em último caso a repressão. A entrada de mulheres na PSP só acontece em março de 1980, mas apesar das 14 mil candidaturas, apenas 312 integram os comandos.

Entre 1974 e 1985, a ação dos governos incidiu no restabelecimento da autoridade democrática do Estado e na defesa do prestígio das forças de segurança, enquanto garante da ordem, da segurança e das liberdades democráticas. E é aqui que se inicia a criação de uma força cada vez menos militarizada, mais próxima do cidadão, da qual a Escola Segura é um exemplo.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

A página está a demorar muito tempo.

Ofereça este artigo a um amigo

Enquanto assinante, tem para partilhar este mês.

A enviar artigo...

Artigo oferecido com sucesso

Ainda tem para partilhar este mês.

O seu amigo vai receber, nos próximos minutos, um e-mail com uma ligação para ler este artigo gratuitamente.

Ofereça artigos por mês ao ser assinante do Observador

Partilhe os seus artigos preferidos com os seus amigos.
Quem recebe só precisa de iniciar a sessão na conta Observador e poderá ler o artigo, mesmo que não seja assinante.

Este artigo foi-lhe oferecido pelo nosso assinante . Assine o Observador hoje, e tenha acesso ilimitado a todo o nosso conteúdo. Veja aqui as suas opções.

Atingiu o limite de artigos que pode oferecer

Já ofereceu artigos este mês.
A partir de 1 de poderá oferecer mais artigos aos seus amigos.

Aconteceu um erro

Por favor tente mais tarde.

Atenção

Este artigo só pode ser lido por um utilizador registado com o mesmo endereço de email que recebeu esta oferta.
Para conseguir ler o artigo inicie sessão com o endereço de email correto.