Rádio Observador

Autoridade Tributária

Software do fisco só falhou com as offshores

1.783

Apesar de ser usada para registar outras operações relevantes, a plataforma informática usada pelo fisco apenas falhou no tratamento da informação relativa a transferências para paraísos fiscais.

Fernando Rocha Andrade considera que a auditoria da IGF deixou muitas perguntas por responder

ANDRE KOSTERS/LUSA

O software usado pela Autoridade Tributária para registar as transferências para paraísos fiscais — e que estará na base do “apagão” que permitiu que fossem transferidos 10 mil milhões de euros para offshores sem que essa informação fosse tratada — também era utilizada para registar outras operações, como taxas liberatórias e valores mobiliários. Nesses casos, no entanto, o programa informático não registou qualquer problema — só falhou mesmo a analisar as transferências para offshores.

A informação é avançada pelo jornal Público, que cita a auditoria da Inspeção-geral de Finanças (IGF) ao sistema de controlo das declarações Modelo 38 — que têm de ser enviadas até 31 de julho e que incluem todas as movimentações de dinheiro superiores a um determinado montante. Ora, a solução tecnológica em questão, a plataforma PowerCenter, funcionou sem qualquer anomalia em todos os cenários à exceção de um: precisamente, a registar as transferências para paraísos fiscais.

Segundo o mesmo Público, apesar de reconhecer que os problemas de software existiram de facto, a auditoria conduzida pela IGF deixou de fora das suas conclusões e síntese o facto de este “apagão” só se reportar à validação das declarações Modelo 38, não considerando por isso relevante para a investigação.

Esta particularidade foi detetada pela Autoridade Tributária, que decidiu avançar com testes próprios ao desempenho da plataforma PowerCenter. Traçado o diagnóstico, o fisco concluiu que não existiram quaisquer problemas na migração dos dados relativos à compra e venda de valores mobiliários e aos rendimentos e retenções de taxas liberatórias — apenas com a informação relativa às transferências para paraísos fiscais. Com base nesta avaliação, a IGF conclui então que “não foram identificados quaisquer problemas de natureza semelhante ao verificado na declaração Modelo 38” e abdicou de conduzir as suas próprias perícias.

A auditoria conduzida pela IGF permitiu concluir que dos 10 mil milhões transferidos e que escaparam ao radar do fisco, há 8 mil milhões de transferências que “têm como ordenantes dois grupos económicos”, um deles com sede efetiva em Portugal.

Para Fernando Rocha Andrade, secretário de Estado dos Assuntos Fiscais, a auditoria deixou muitas perguntas por responder, nomeadamente sobre o facto de a “singularidade estatística de o erro” envolver especialmente algumas instituições e ter um comportamento diferente ao longo do tempo. “Permanecem, assim, por esclarecer aspetos relevantes para a descoberta da verdade e para salvaguardar a não repetição de um cenário de não deteção de inconsistências”, refere Rocha Andrade, no despacho sobre o relatório que fez chegar ao Parlamento.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)