Rádio Observador

Greve

Greve dos estivadores para portos de Lisboa, Setúbal e Figueira da Foz

A greve dos estivadores nas horas ímpares está a paralisar os portos de Setúbal, Lisboa, Figueira da Foz, afetando também Leixões, segundo fonte sindical.

O objetivo da "jornada de luta" é parar "de uma vez por todas" com as situações denunciadas e "a arma [utilizada] é a greve", disse ainda António Mariano

STEVEN GOVERNO/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

A greve dos estivadores nas horas ímpares, que implica uma paragem do trabalho de hora a hora, está esta segunda-feira a paralisar os portos de Setúbal, Lisboa, Figueira da Foz, afetando também Leixões, segundo fonte sindical.

Há portos onde representamos a totalidade dos trabalhadores, como o caso de Lisboa, Setúbal e Figueira da Foz, e estão completamente parados nessas horas, no caso de Leixões e Caniçal [na Madeira] estão praticamente parados”, disse à agência Lusa o presidente do Sindicato dos Estivadores e da Atividade Logística.

António Mariano acrescentou que, mesmo nas estruturas em que o sindicato não abrange a totalidade dos profissionais, “o efeito sobre as operações é enorme”.

A greve decorre desde as 08h00 desta segunda-feira até às 08h00 de terça-feira, durante as horas ímpares, ou seja, os estivadores trabalham uma hora, por exemplo das 09h00 às 09h59, e param na seguinte.

Os estivadores divulgaram um manifesto sobre as “situações gritantes que estão a viver-se em alguns portos, especialmente em Leixões e Caniçal”, lembrou o presidente do sindicato.

Desde que os trabalhadores desses portos começaram o processo de sindicalização no nosso sindicato, as perseguições têm sido inúmeras e de várias formas, desde ameaças a substituição desses [profissionais] por outros, prejuízos nos [seus] salários, ameaças de despedimento, impedimento de participação em plenários”, relatou.

As operações nas horas ímpares “estão praticamente paradas na totalidade nos portos do continente, de Setúbal, Lisboa, Figueira da Foz, e Leixões e também no porto do Caniçal, na ilha da Madeira”, relatou António Mariano.

Na ilha Terceira, nos Açores, não havia movimento de navios, pelo que o efeito da greve não se fazia sentir, explicou o sindicalista.

Realçou que, “nos restantes portos, estão a ser cumpridas integralmente as horas de paragem, a adesão dos nossos associados é de 100%”.

O objetivo da “jornada de luta” é parar “de uma vez por todas” com as situações denunciadas e “a arma [utilizada] é a greve”, disse ainda António Mariano.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Combustível

O mundo ao contrário

João Pires da Cruz
509

Se o seu depósito é mais importante do que aquilo que os pais deste bebé sentiram quando lhes disseram que o filho deles morreu instantes depois do nascimento, é porque tem o mundo ao contrário.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)